Artigos e Publicações

Arbitragem em alta

Publicado em 8 de janeiro de 2020

Método tem ganhado cada vez mais espaço na resolução de conflitos e elevado a demanda da ABA por esses serviços

A forma de resolução de conflitos pela qual um árbitro, ou um tribunal arbitral composto por 3 árbitros, julga uma controvérsia tem ganhado espaço crescente no Brasil. A regulamentação da Lei da Arbitragem em 1996 (Lei nº 9.307) e a sua reforma em 2015 (Lei nº 13.129) contribuíram com esse crescimento. Segundo dados da CCI – Câmara de Comércio Internacional, o Brasil ocupou o terceiro lugar em número de casos registrados em 2014, atrás somente dos Estados Unidos e da França. Tamanho desenvolvimento tem refletido também nas demandas do escritório.

Desde a sua fundação, em 1979, a Andersen Ballão tem atuado em processos de arbitragem locais e internacionais. Atualmente, faz isso por meio de um departamento específico de Contencioso e Arbitragem coordenado pelos sócios André Bettega e Frederico Lourenço. A advogada Isabela Albini Maté, associada do Departamento Societário e que colabora com a área de Arbitragem, explica que a ABA atende clientes nesta área em segmentos variados de mercado, mas tem observado crescimento especial nas arbitragens da construção civil, comerciais e em temas relacionados ao Direito Portuário e importação e exportação.

Sobre a amplitude do serviço que o escritório presta neste Departamento hoje, Isabela esclarece: “a Andersen Ballão representa os clientes durante todo o procedimento de arbitragem, desde a instauração, passando por indicação de árbitro, elaboração de defesas, participação em audiências e eventual execução de sentença arbitral”. A advogada ainda cita as principais Câmaras de Arbitragem nas quais a ABA tem atuado: ARBITAC, CCI, CAM-CCBC e GAFTA.

Competições de Arbitragem

A advogada Isabela Maté participou em diversas competições nacionais e internacionais de arbitragem, nas quais equipes de estudantes de Direito se enfrentam em simulações de processos arbitrais, representando clientes em casos fictícios. Durante a graduação, participou como oradora nas competições e, atualmente, é coach da equipe da PUCPR, que conquistou o 3º lugar no 23rd Willem C. Vis International Commercial Arbitration Moot em Viena, neste ano.
De acordo com Isabela, a participação nos eventos é significativa para a formação de bons advogados: “Os estudantes que participam das competições acabam desenvolvendo as qualidades necessárias para a boa prática profissional, como trabalho em equipe, metodologia de pesquisa, oratória e redação. Em especial, as competições são excelentes oportunidades para networking com estudantes, jovens advogados e renomados professores e árbitros do Brasil e do mundo.”.

Artigos Relacionados

Tiny Houses: a modelagem jurídica de um negócio…

Uma das missões da advocacia na área ambiental é auxiliar o cliente a empreender de forma sustentável e com segurança jurídica. Nas atividades abrangidas nessa…

Leia mais

Empresariado brasileiro aguarda novas medidas de desburocratização

Tanto a Medida Provisória 1.040/2021 quanto a Lei de LiberdadeEconômica (lei n. 13.847/2019) representam nítido avanço na modernização do âmbito empresarial brasileiro, assim como no…

Leia mais

Empresas terão de insistir em decisão do STF…

Em 2015, o Supremo Tribunal Federal (STF), no julgamento das ADIs 4357, 4372, 4400 e 4425, declarou a inconstitucionalidade da expressão “índice oficial da remuneração…

Leia mais