Artigos e Publicações

Liminar do STF impede que clubes de futebol inadimplentes sejam rebaixados

Publicado em 31 de outubro de 2017

Punição técnica por problemas financeiros foi afastada pelo ministro Alexandre de Moraes

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, derrubou a exigência da regularidade de tributos e débitos trabalhistas para participação de clubes de futebol em campeonatos profissionais estabelecida pelo PROFUT – Programa de Modernização da Gestão e de Responsabilidade Fiscal do Futebol Brasileiro, previsto no artigo 40 da Lei 13.155/15. De acordo com liminar deferida pelo STF, os times brasileiros inadimplentes também não poderão ser punidos com o rebaixamento.

Munidos da justificativa de que a norma fere a autonomia das entidades desportivas, prevista no artigo 217 da Constituição Federal, a ação foi proposta pelo Sindicato Nacional das Associações de Futebol Profissionais e pelo Partido Humanista da Solidariedade (PHS). Para o ministro, o Artigo 40 da Lei do PROFUT constitui forma indireta de coerção estatal ao pagamento de tributos, algo vedado por vasta jurisprudência do STF. A liminar ainda será submetida ao Plenário.

O Coordenador do Departamento Desportivo da Andersen Ballão Advocacia, Gil Justen, esclarece: “o artigo 40 altera outra Lei, o Estatuto do Torcedor (Lei 10.671/03), incluindo a exigência de que os clubes estejam em dia com tributos, FGTS, salários e direito de imagem para participar dos campeonatos. Se não estiverem, serão rebaixados para a divisão anterior”. Isso valeria também para clubes que não aderiram ao programa de parcelamento tributário.

A suspensão do Art. 40 não invalida todo o PROFUT. A liminar, que segue parecer prévio da Procuradoria Geral da República no mesmo sentido, somente considerou inconstitucional a regra do referido artigo 40 por se tratar de coerção ilícita ao pagamento de tributo. As demais normas, que impõem mecanismos de transparência aos clubes e federações, foram mantidas. “Independentemente da questão técnica, a suspensão da eficácia do artigo 40 pode ser um estímulo à má gestão dos clubes, o que pode provocar atrasos salariais, falta de pagamento de impostos e ausência de transparência em detrimento de atletas, treinadores e torcedores”, afirma o advogado.

O especialista em Direito Desportivo lembra que em agosto de 2015 a Lei 13.155/15 que instituiu o PROFUT instaurou um parcelamento tributário e redução de encargos para clubes com dívidas tributárias, tendo como contrapartida várias medidas de transparência: estar em dia com débitos trabalhistas e tributários, prazo máximo de mandato para dirigentes de até quatro anos com uma recondução, conselho fiscal autônomo para julgar as contas da diretoria, proibição de antecipar receitas, redução do déficit financeiro e publicação de balanço. A iniciativa do Governo Federal já injetou, através de parcelamento e renúncia de encargos, mais de R$ 700 milhões em recursos públicos para os cofres dos times brasileiros.

De acordo com matéria publicada pela revista Época, a lista de inadimplentes é liderada pelo Botafogo que fechou o ano de 2016 com um déficit de R$ 706 mi. Em segundo lugar está o Atlético-MG, com R$ 584 mi. Os 24 principais clubes finalizaram o último ano com débitos na ordem de R$ 6,4 bi. O programa brasileiro não é inédito. “Desde 2011 a UEFA – União das Federações Europeias de Futebol – implantou um sistema de fair play financeiro, prevendo punições desportivas para clubes que não cumprissem obrigações financeiras. No entanto, a diferença é que o acordo europeu surgiu das próprias entidades desportivas, respeitando a autonomia das entidades e não se caracterizando como iniciativa imposta pelo governo. Infelizmente, seria muito improvável acreditar que as próprias entidades desportivas se disporiam a autolimitar sua gestão com esse tipo de mecanismo. Apesar da liminar do STF, esperemos que as demais exigências legais sejam suficientes para melhorar o atual panorama do futebol em nosso país”, conclui Justen.

Artigos Relacionados

Aspectos jurídicos da polêmica sanitária ocorrida na partida…

* Gabriel Menegazzo e Rafael Ferreira Filippin são integrantes do Departamento de Direito Público da Andersen Ballão Advocacia.   Desde março de 2020, quando a Organização Mundial da…

Leia mais

Acordo extrajudicial trabalhista: Uma solução que ainda enfrenta…

O acordo extrajudicial na seara trabalhista já não é mais novidade. Inserido na denominada “Reforma Trabalhista” (lei nº 13.467/2017), possui quase quatro anos de vigência…

Leia mais

Voto plural e residência dos administradores: inovações da…

*Anne Thomas e Ivens Hübert são integrantes do Departamento Societário da Andersen Ballão Advocacia.   A Lei Federal nº 14.195/2021 tem como objetivo modernizar e…

Leia mais