Artigos e Publicações

MinC lança primeiro manual de exportação de bens e serviços culturais

Publicado em 8 de janeiro de 2020

Economia criativa movimenta cerca de 2,64% do PIB nacional

Em parceria com a Unesco, o Ministério da Cultura (MinC) lançou em março o primeiro Manual de Exportação de Bens e Serviços Culturais. O documento tem o objetivo de estimular empreendedores a levarem a produção cultural de artistas brasileiros para fora do país. Para a advogada e coordenadora do Departamento de Assuntos Culturais e Terceiro Setor da Andersen Ballão Advocacia, Marcella Souza Carvalho, “a parceria é de fundamental relevância para o aprimoramento das políticas de internacionalização de bens e serviços culturais, haja vista o grande potencial de exportação do Brasil para essa área, além da qualidade e diversidade dos nossos bens e serviços culturais”.

O manual está disponível para acesso gratuito no portal do MinC e abrange diferentes segmentos da indústria criativa como:TV e Mídias Digitais, Cinema, Música, Games e Publicidade. O material oferece informações sobre o acesso a mercados, regimes tributários, exigências de vistos, cobrança de taxas, procedimentos e prazos de tramitação, entre outras informações pertinentes para iniciar os processos de exportação, com o objetivo de preparar os produtores culturais e auxiliar a abertura do mercado internacional à produção nacional, com o aporte do governo federal.

Dados da Unesco, publicados em 2016, apontam que o Brasil exporta cerca de US$ 290 milhões e importa quase US$ 780 milhões em bens culturais, um déficit de quase US$ 500 milhões. De acordo com Marcella “o manual reforça a potencialidade e o protagonismo do setor cultural como importante ativo econômico nacional e força motriz da chamada economia criativa, que movimenta cerca de 2,64% do PIB nacional”.

O documento oferece ainda links de instituições públicas e privadas envolvidas no processo de exportação e indica dados das atividades criativas e projeções de crescimento do segmento no Brasil e no mundo nos próximos anos. “Trata-se de um avanço substancial e necessário para a expansão da circulação destes bens e serviços, já que até então não havia um material unificado e norteador aos agentes e produtores da área. Todo e qualquer tipo de iniciativa nesse sentido precisa ser valorizada, pois ainda temos muito o que avançar nesse âmbito”, afirma a advogada, que espera que em uma próxima edição o documento possa também abarcar, para além do audiovisual, jogos eletrônicos e música, todas as demais áreas do setor cultural.

A Andersen Ballão Advocacia conta com um departamento especializado na área, que também oferece consultoria para assuntos relacionados à indústria criativa nacional.

Artigos Relacionados

É possível alterar o índice de correção monetária…

O índice mais comum para reajuste de preços de contratos de locação, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), teve alta expressiva no ano…

Leia mais

Entenda o que mudou na Recuperação Judicial e…

A Lei 14.118, de 24 de dezembro de 2020, que entrou em vigor em 23.01.2021, alterou alguns pontos relevantes da Lei de Recuperação Judicial e…

Leia mais

Notas sobre Quotas Preferenciais sem Direito a Voto…

Em 10 de junho desse ano, o Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) emitiu a Instrução Normativa nº 81/2020 consolidando diversos pontos muito discutidos…

Leia mais