Artigos e Publicações

Responsabilidade trabalhista do franqueador

Publicado em 8 de janeiro de 2020

É comum o surgimento de dúvidas específicas acerca da existência ou não de responsabilidade trabalhista das empresas franqueadoras em relação aos empregados das empresas franqueadas, eis que a franquia empresarial muitas vezes é confundida com a figura da prestação clássica de serviços.

É de se destacar, no entanto, que a franquia empresarial, diferentemente da terceirização de atividades, é definida como sendo o negócio jurídico pelo qual uma empresa autônoma – denominada franqueada – passa a desenvolver as atividades de outra empresa autônoma – denominada franqueadora – na distribuição de produtos ou serviços, através de cessão de uso de marca ou patente e, em casos específicos, também do direito de uso de tecnologias exclusivas, mediante remuneração. Trata-se, portanto, de relação comercial entre duas empresas autônomas, não pertencentes ao mesmo grupo econômico e com objetos sociais absolutamente distintos.

Em decorrência do contrato de franquia, a empresa franqueada, por ser totalmente autônoma, é livre para assumir obrigações em nome próprio e praticar todos os atos de gestão e direção do seu empreendimento, inclusive contratação e gestão de empregados, assumindo integralmente os riscos da operação, sem qualquer ingerência direta da empresa franqueadora nos negócios da franqueada. Mantêm-se entre as duas empresas, portanto, relação de caráter unicamente mercantil.

Não há, desta forma, qualquer prestação de serviços pelos empregados das franqueadas à franqueadora, ou seja, esta não se beneficia diretamente do trabalho dos empregados de seus franqueados, não se fazendo presentes, portanto, as figuras do “prestador” e do “tomador” de serviços.

O contrato de franquia não se confunde, assim, com terceirização de serviços, sendo inaplicáveis à franquia empresarial, em um primeiro momento, as regras constantes da Súmula 331 do TST sobre responsabilidade trabalhista, eis que esta visa regulamentar exclusivamente a terceirização de atividades-fim ou meio.

É importante considerar, contudo, que as regras específicas do contrato de franquia constantes na lei que a regulamenta (Lei 8.955/94) devem ser estritamente respeitadas pela franqueadora para que do contrato de franquia não decorra a aplicação das normas da Súmula 331 do TST. Isso porque o desvirtuamento do instituto tende a ser interpretado pela jurisprudência majoritária como fraude à legislação trabalhista, o que poderá acarretar a nulidade do contrato de franquia.

Assim, caso a empresa franqueadora possua ingerência direta na administração dos negócios da empresa franqueada, eventual discussão judicial poderá declarar a nulidade do contrato de franquia e, consequentemente, a presença de terceirização de serviços, acarretando, assim, a aplicabilidade da Súmula 331 do TST, que poderá determinar a existência de responsabilidade trabalhista.

É seguro concluir, portanto, que a empresa franqueadora, via de regra, não possui qualquer responsabilidade trabalhista relacionada aos empregados das empresas franqueadas, não respondendo, assim, na esfera trabalhista, pelas atitudes destas empresas.

*** Vicente Ferrari Comazzi é advogado, graduado em Direito pela Faculdade de Direito de Curitiba e integrante da equipe do Departamento Trabalhista do escritório Andersen Ballão Advocacia desde 2010.

Artigos Relacionados

É possível alterar o índice de correção monetária…

O índice mais comum para reajuste de preços de contratos de locação, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), teve alta expressiva no ano…

Leia mais

Entenda o que mudou na Recuperação Judicial e…

A Lei 14.118, de 24 de dezembro de 2020, que entrou em vigor em 23.01.2021, alterou alguns pontos relevantes da Lei de Recuperação Judicial e…

Leia mais

Notas sobre Quotas Preferenciais sem Direito a Voto…

Em 10 de junho desse ano, o Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) emitiu a Instrução Normativa nº 81/2020 consolidando diversos pontos muito discutidos…

Leia mais