Artigos e Publicações

Empreendedorismo Social e seus desafios no mercado brasileiro

Empreendedorismo Social e seus desafios no mercado brasileiro

Publicado em 07/01/2020

Modelo de negócio exige atenção dos advogados atuantes no setor

Associar a geração de lucro à resolução de problemas sociais e ambientais, visando a melhoria na qualidade de vida em comunidades carentes: esse é o objetivo do empreendedor social. Tal modelo de negócio surge, principalmente, a partir de um olhar atento às possibilidades de transformação existentes na base da pirâmide social brasileira, reformulando a abordagem dos empreendimentos em relação às classes menos favorecidas. A grande diferença entre um negócio social e uma empresa tradicional está na visão: o empreendedor social executa ideias inovadoras, com criatividade, para resolver problemas sociais de grande escala, procurando também a sustentabilidade econômica.

“Esse é um tipo de negócio que harmoniza o impacto social e a geração de lucro e vem ganhando força no Brasil por meio de um escopo inédito de atuação, baseado em criatividade e em fatores antigamente desconsiderados pelo mercado tradicional”, avalia Marcella Souza, Sócia Coordenadora do Departamento de Assuntos Culturais e de Terceiro Setor da Andersen Ballão Advocacia.

Embora as produções teóricas sobre o tema existam há mais de dez anos, os negócios sociais ainda enfrentam certos obstáculos em sua implementação no Brasil: uma definição de modelo de negócio, a falta de um marco legal específico para o tema de impacto social e a forma de atração e captação de recursos. Outro aspecto importante nessa discussão está namensuração de sucesso de um negócio social. De acordo com Marcella, ele é feito com base no impacto gerado: “ao contrário de um negócio tradicional, no social não mensuramos o sucesso da empresa com base apenas no lucro gerado e sim pelo impacto criado para as pessoas ou para o meio ambiente”, complementa.

No que diz respeito às ofertas de capital, esse mercado tem se tornado independente das doações e buscado aproximação com o Governo Federal para conseguir apoio. Em dezembro de 2017, foi criado um grupo de trabalho composto por representantes de sete ministérios, entre eles o de Desenvolvimento Social (MDS), da Indústria (MDIC), do Planejamento, além de organizações como o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento – PNUD, SEBRAE e potenciais financiadores como o BNDES, BID, Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil. O grupo é responsável por articular políticas públicas voltadas aos empreendimentos que gerem impacto socioambiental.

Em um levantamento do SEBRAE em parceria com o PNUD, foram identificados mais de 800 negócios de impacto social em todo o país, sendo boa parte desses novos negócios, que prestam serviços sociais e geram desenvolvimento econômico, composta por startups.
São incontestáveis os avanços e a crescente perspectiva de recepção do potencial de inovação do ramo de negócios sociais frente aos nichos tradicionais de atuação mercadológica, inclusive no âmbito jurídico. É na constante conquista de espaço que reside a relevância do tema. E é também a partir dela que se justifica o olhar atento dos mais diversos profissionais às possibilidades advindas deste novo formato, sobretudo quando se considera a realidade social brasileira.

Matérias Relacionadas

Métodos alternativos de resolução de conflito estão no DNA da Andersen Ballão Advocacia

Métodos alternativos de resolução de conflito estão no DNA da…

Negociação, conciliação, mediação e arbitragem são especialidades da banca e prática dos advogados da casa   O Brasil é o quarto país em número de…

Leia mais
Desoneração da folha de pagamento é prorrogada para 17 setores até 2023

Desoneração da folha de pagamento é prorrogada para 17 setores…

Continuidade do benefício, que venceria agora em dezembro, deve receber a sanção presidencial   O fim de ano trouxe um alívio para empresários de 17…

Leia mais
Empresas nacionais e com sede no exterior devem estar atentas à indicação do Beneficiário Final

Empresas nacionais e com sede no exterior devem estar atentas…

Instrução Normativa da Receita Federal indica a necessidade do registro em prazo de 90 a 180 dias da inscrição no CNPJ   É longo o…

Leia mais