Artigos e Publicações

Empresas devem passar informações claras aos colaboradores sobre consequências da recusa à vacinação

Empresas devem passar informações claras aos colaboradores sobre consequências da recusa à vacinação

Publicado em 29/11/2021

Discussão ampla entre poder público, juristas e sociedade sobre obrigatoriedade da imunização contra a covid exige cautela e documentação adequada

 

Quando a Lei 13.979/2020 incluiu a vacinação entre as medidas de enfrentamento sanitário contra a covid-19, surgiram contestações, com base no direito à recusa do cidadão. O tema tem sido analisado a fundo por juristas e novas determinações governamentais trouxeram ainda mais discussão.

Primeiramente, o Supremo Tribunal Federal (STF) analisou a constitucionalidade da referida lei por meio das ADI 6.586 e 6587, julgadas em conjunto em dezembro de 2020. “Nestes julgamentos, o Tribunal fixou a tese de que a vacinação pode ser compulsória, embora não possa ser forçada, admitindo as restrições de direitos a quem não quiser se vacinar”, explica a advogada do Departamento Trabalhista da Andersen Ballão Advocacia Daniele Slivinski. Isso significa que o bem da coletividade, nesse caso, deveria se sobrepor ao do indivíduo.

No início de novembro, foi publicada a Portaria nº 620 do Ministério do Trabalho, que, apesar de não ter força de lei, determinou que os empregadores deixem de exigir a vacinação contra a covid de seus empregados como condição de permanência no emprego ou de contratação.

“Essa medida foi suspensa de maneira cautelar pelo STF. Primeiro, por contrariar o artigo 5º, II da Constituição Federal, que verbaliza o princípio da legalidade, ou seja, de que ninguém é obrigado a fazer ou deixar de fazer, senão em virtude de lei”, destaca a advogada. “Além disso, a Portaria havia contrariado obrigações ligadas à saúde e segurança no ambiente do trabalho (arts. 7º, XXII da CF, 157 e 158 da CLT), quais sejam: adotar todas as medidas necessárias à proteção do meio ambiente de trabalho, garantir a saúde dos trabalhadores, bem como impor aos empregados a observância das normas de segurança e medicina do trabalho.”

“Assim, com base nesta nova decisão do STF, a Portaria não pode prevalecer sobre a Lei 13.979/2020, bem como sobre os dispositivos legais que exigem do empregador a implementação de medidas que visem a proteção do meio ambiente de trabalho e de seus empregados, pois deve-se preservar a saúde e segurança da coletividade dos trabalhadores”, esclarece a profissional.

E como as empresas devem proceder diante de tamanha contradição?

“É preciso observar as normas sanitárias expedida pelo poder público, tais como o distanciamento social, o uso de máscaras e álcool e outras medidas correlatas. Da mesma forma, os empregadores devem esclarecer aos empregados a importância e os benefícios da vacinação, exigindo a sua comprovação, em conformidade com o esquema vacinal aplicável e o cronograma vigente em cada cidade.”

De acordo com a Lei 13.979/20 e com outras normas que regulam a saúde e segurança no meio ambiente do trabalho, em especial contra a covid, é necessário que as empresas formalizem aos seus colaboradores a exigência da vacinação e quais as consequências de uma possível recusa.

O mais seguro ao meio empresarial, conforme advogados da área trabalhista, é estabelecer um programa de gestão de saúde e segurança do trabalho na empresa, e prover informações claras e transparentes sobre as medidas a serem adotadas, devidamente documentadas.

“Em caso de recusa imotivada do empregado em cumprir, em especial, com a apresentação dos comprovantes de vacinação, é importante observar a gradação de penalizações, visando, inicialmente, adotar medidas pedagógicas, a fim de conscientizar o empregado da importância e necessidade da vacinação. E somente adotar, como medida final, o caráter punitivo, com a resolução do contrato de trabalho, quando houver justa causa”, sugere Daniele.

Acompanhe a newsletter da ABA para receber atualizações sobre as legislações pertinentes à vacinação no meio empresarial.

Matérias Relacionadas

Empresas devem atentar às novas regras do benefício de alimentação para trabalhadores

Empresas devem atentar às novas regras do benefício de alimentação…

Medida Provisória modifica alguns requisitos do PAT, que segue como ótima opção para gerenciar auxílio   Muitas vezes, o trabalhador opta por uma vaga de…

Leia mais
Pessoas com deficiência e aprendizes estão no centro de debate dos tribunais do trabalho

Pessoas com deficiência e aprendizes estão no centro de debate…

Entenda se as empresas podem negociar essas cotas com base nas recentes decisões judiciais   O Brasil tem leis avançadas em relação à proteção dos…

Leia mais
Empresas podem processar ex-funcionários por dano moral

Empresas podem processar ex-funcionários por dano moral

Ações relacionadas à difamação nas redes sociais devem ser levadas perante a Justiça do Trabalho   Num mundo de relações virtuais, o meio corporativo carece…

Leia mais