Artigos e Publicações

Gastos relacionados à covid-19 geram créditos de PIS e Cofins

Gastos relacionados à covid-19 geram créditos de PIS e Cofins

Publicado em 5 de agosto de 2020

Impacto dos novos custos e despesas impõe uma análise mais específica no cálculo dessas contribuições

As despesas relacionadas à pandemia da covid-19, tais como a aquisição de álcool em gel, máscaras, luvas e óculos, além da implementação de sistemas de trabalho remoto, se enquadram no conceito de insumo para a geração de créditos de PIS e COFINS no regime não cumulativo, visto que são essenciais e relevantes para o processo produtivo e/ou prestação de serviço e decorrem de imposição legal, a exemplo da Lei Federal nº 13.979/2020, da Lei Estadual nº 20.189/2020 e do Decreto Estadual nº 4.692/2020, ambos do Estado do Paraná. 

É certo o direito de crédito sobre esses dispêndios para os prestadores de serviço e as indústrias, havendo divergência doutrinária e jurisprudencial com relação ao creditamento sobre insumos pelas empresas unicamente comerciais. Para a advogada Victoria Rypl, especialista em direito tributário da Andersen Ballão Advocacia, existem alguns detalhes importantes nesse processo. 

Os principais gastos geradores de créditos, relacionados à pandemia, são: máscaras, luvas, óculos e demais equipamentos de proteção individual; testes de covid-19; equipamentos de medição de temperatura; gastos relacionados à aquisição de álcool gel e demais produtos de limpeza adquiridos especificamente em razão da pandemia e os serviços de sanitização de ambientes. No caso dos softwares para trabalho remoto, a sua aquisição pode gerar direito ao crédito, desde que não esteja vinculada às atividades meramente administrativas”, analisa.

É importante as instituições pensarem caso a caso, de acordo com a essencialidade e a relevância de cada item na cadeia produtiva da companhia. Nesse sentido, a advogada conta que os contribuintes podem utilizar o crédito, mensalmente apurado, para fins de desconto do valor das contribuições ao PIS e à COFINS a recolher no respectivo mês. Ainda, é possível a tomada dos créditos não utilizados, desde o início da pandemia, de forma extemporânea, com a necessidade de retificação das DACONs, conforme previsto no artigo 3º, § 4º das Leis nº 10.637/02 e nº 10.833/03 e o entendimento do CARF. 

Já no caso de contribuintes que desenvolvam atividades exclusivamente comerciais, a Receita Federal do Brasil recentemente publicou a Solução de Consulta Cosit nº 84/2020, em que adotou a interpretação vinculante de que não há créditos de PIS e COFINS sobre insumos na atividade de comercialização de bens, sob o entendimento de que a hipótese de apuração de créditos sobre insumos está relacionada unicamente às atividades de fabricação ou produção de bens e de prestação de serviços, tema que vem gerando discussões nos tribunais pátrios, não havendo, até o presente momento, uma posição consolidada.

Por fim, a advogada reforça a necessidade de uma análise atenta da legislação e das possibilidades de postergação e redução dos valores dos tributos a recolher, aliada à orientação jurídica para a mitigação de riscos, durante este difícil período de redução das atividades econômicas do país.

Matérias Relacionadas

A COVID-19 é doença ocupacional ou não? Como renegociar contratos empresariais na pandemia? Descubra nos webinars da ABA de outubro

A COVID-19 é doença ocupacional ou não? Como renegociar contratos…

Advogados trazem temas que preocupam empresas em todo o país e que tendem a gerar consequências de longo prazo   Após o sucesso da primeira…

Leia mais
Com adesão ao programa de empoderamento feminino da ONU (WEPs), ABA fomenta igualdade de gênero

Com adesão ao programa de empoderamento feminino da ONU (WEPs),…

Andersen Ballão é o primeiro escritório de advocacia signatário em Curitiba   A Andersen Ballão Advocacia formalizou sua adesão ao programa da ONU sobre princípios…

Leia mais
Setor automotivo conta com expertise e sinergia de todos os departamentos da ABA

Setor automotivo conta com expertise e sinergia de todos os…

Necessidades jurídicas de fabricantes de componentes automotivos incluem áreas trabalhista, tributária, regulatória, contratual, corporativa e litigiosa cível   O setor automotivo representa cerca de 5%…

Leia mais