Artigos e Publicações

A Convenção da Apostila cada vez mais próxima

A Convenção da Apostila cada vez mais próxima

Publicado em 7 de janeiro de 2020

Em agosto começam a valer no Brasil as regras de desburocratização para legalização de documentos entre países

A legalização de documentos brasileiros que devem ser apresentados no exterior, e vice-versa, é conhecida por ser extremamente burocrática. A partir do dia 14 de agosto deste ano, porém, esta burocracia excessiva deve acabar. No final de 2015, o Brasil aderiu à Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos estrangeiros, a chamada Convenção da Apostila de Haia.

Em vigor desde 1965, essa Convenção aplica um método simplificado para verificar a autenticidade de documentos públicos que serão apresentados em outro país signatário, emitindo, geralmente ao final do documento, um certificado para conferir validade, chamado de Apostille (Apostila de Haia). No Brasil, o Conselho Nacional de Justiça é o órgão responsável pelo implemento do sistema para a emissão da Apostila de Haia.

Segundo Gisele Mendes, advogada do Departamento Societário da ABA, a Apostila, por sua praticidade, facilita transações comerciais e jurídicas entre os mais de 100 países signatários. “A desburocratização vai ser expressiva. Um processo que antes exigia que o documento passasse por, no mínimo, três orgãos para ser legalizado no Brasil, agora, passará apenas por um órgão, os cartórios. Até o momento, o CNJ dá a antender que todo e qualquer cartório em funcionamento no país poderá emitir a Apostila”, esclarece.

Em 6 de julho de 2015, o Congresso Nacional já tinha aprovado o texto da Convenção da Apostila por meio do Decreto Legislativo 148/15. Em novembro do ano passado, por meio da Portaria 155/15, o Conselho Nacional de Justiça instituiu um grupo de trabalho para estudos e desenvolvimento de sistema eletrônico capaz de efetivar a aplicação da Convenção. Em dezembro do mesmo ano, o governo brasileiro depositou junto ao Ministério dos Negócios Estrangeiros dos Países Baixos o instrumento de adesão ao tratado e, logo em seguida, em janeiro de 2016, a Presidência da República publicou no Diário Oficial da União o decreto nº 8.660/16, promulgando referida Convenção.

Aparentemente, neste momento, o CNJ está dedicado à implementação do sistema de apostilamento e as decisões estão acontecendo rapidamente. A advogada da ABA explica que, agora, aguarda-se o prazo de seis meses (da comunicação) para que os países que já aderiram à Convenção manifestem oposição. Após decorrido este prazo, o país aderente ainda deve aguardar 60 dias para que a Convenção entre oficialmente em vigor. No caso de alguma oposição, tal convenção não valerá entre o Brasil e o país opositor, sendo que o prazo para a manifestção terminará no dia 15 de junho. “Até então, nenhum país se posicionou como opositor e a expectativa é que não haja qualquer resistência”, enfatiza.

Às vesperas da implementação do novo sistema, o CNJ ainda não divulgou quanto custará ou quanto tempo levará para o apostilamento ocorrer por meio dos cartórios brasileiros. São questões sobre as quais a Convenção silencia e deixa a critério do país aderente. De qualquer modo, considerando que atualmente o processo de legalização não costuma demorar menos de 15 dias para ser concluído, no Brasil ou no exterior, espera-se que, independente da decisão do CNJ, a Apostille traga vantagens expressivas.

O Brasil ainda precisa oficializar o sistema que será utilizado para permitir a emissão da Apostila de Haia por meio eletrônico nos cartórios do país. Em 2 de maio deste ano, por meio da Portaria 52/2016, um novo grupo de estudos e pesquisa foi instituído pelo CNJ. Dessa vez, o intuito é a organização e a tradução de documentos relativos à Convenção da Apostila de Haia no Brasil.

“Com tal participação, vai se tornar mais simples a utilização de documentos brasileiros no exterior e de documentos estrangeiros no Brasil e, dessa forma, apesar de a emissão ser de respossabilidade dos cartórios, a expectativa é de que também haverá expressiva diminuição de custos para cidadãos, empresas e o próprio Estado, conforme afirmado pelo CNJ”, finaliza Gisele Mendes.

Matérias Relacionadas

Terceiro Setor busca recursos em projetos estruturados e de longo prazo para enfrentar crise da covid-19

Terceiro Setor busca recursos em projetos estruturados e de longo…

Dicas para organizações incluem a personalização na busca por apoiadores financeiros e fundos filantrópicos   Apesar da forte onda de solidariedade por conta da crise…

Leia mais
Nova lei moderniza recuperação de empresas em dificuldade

Nova lei moderniza recuperação de empresas em dificuldade

Lei nº 14.112/20 facilita a concessão de financiamentos, o parcelamento de dívidas tributárias e a negociação com credores para evitar a decretação de falência  …

Leia mais
ABA e Alltech: 25 anos de parceria e confiança

ABA e Alltech: 25 anos de parceria e confiança

Empresa americana aposta na expertise e vasto conhecimento dos profissionais da Andersen Ballão Advocacia em legislações internacionais e outras áreas do direito   No Brasil…

Leia mais