Artigos e Publicações

A ‘era digital’ dos processos judiciais

A ‘era digital’ dos processos judiciais

Publicado em 7 de janeiro de 2020

Meio virtual agiliza as tramitações das ações. Pouco a pouco, os processos físicos que restam são convertidos em eletrônicos

A Lei 11.419/2006 regulamenta a tramitação dos processos judiciais e a comunicação de atos em meios eletrônicos. De acordo com o advogado do Departamento Contencioso da Andersen Ballão Advocacia, Rene Toedter, a lei foi exatamente um “marco” do processo eletrônico, quando se iniciou a migração dos processos de papel para os processos digitais. “Vejo muitos benefícios no processo eletrônico, sobretudo na facilidade e agilidade no acesso à informação por todos os envolvidos”, diz.

Segundo o advogado da ABA, talvez o único ponto negativo seja a instabilidade de alguns sistemas e plataformas, que, algumas vezes, dificultam o trabalho, mas nada que justifique o retorno à ‘era do papel’. “A crítica corrente que se faz, também, é a existência de plataformas distintas, como o Projudi, e-SAJ, E-Proc, PJe. Contudo, diante da impossibilidade de unificação dos sistemas, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) busca um modelo que consiga facilitar e reunir todas as plataformas para que os advogados consigam operacionalizá-las de modo único”, acrescenta.

De acordo com informações da Secretaria de Tecnologia da Informação do Conselho Superior da Justiça do Trabalho (CSJT), o sistema de Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT), por exemplo, superou a marca de 6 milhões de processos eletrônicos em todo Brasil. De um ano para cá, o número de usuários que acessam o sistema também aumentou consideravelmente. Em abril de 2015, 588 mil usuários o utilizavam, entre advogados, servidores e magistrados. Nesse ano, os usuários chegaram a 965 mil.

Meios eletrônicos e o novo CPC

Na visão de Toedter, com o novo Código de Processo Civil (CPC), que entrou em vigor no último dia 18 de março, as práticas processuais por meios eletrônicos devem ser mais valorizadas, uma vez que o novo código busca simplificar o atual sistema processual civil brasileiro e agilizar os processos.

Entre as inovações trazidas pelo NCPC ele destaca a videoconferência e a citação por meio eletrônico. “No caso da videoconferência, apesar de alguns juízes já utilizarem essa alternativa, agora o que era exceção deve se tornar regra. Quanto à citação (ato processual pelo qual o réu é chamado ao processo), se antes era revestida de formalidade, hoje, o réu pode ser citado por e-mail.”.

Inclusive, alguns tribunais já começaram o cadastramento de e-mails para recebimento de citação. Mas, Toedter faz uma ressalva, em especial para as grandes empresas: “essa inovação exige uma considerável mudança de rotina, a começar pela definição do e-mail que será cadastrado no Judiciário e pelo seu acompanhamento constante – quem vai checar diariamente o e-mail?”, pontua.

Matérias Relacionadas

Mesmo com a pandemia, adoções e acolhimentos foram mantidos no país

Mesmo com a pandemia, adoções e acolhimentos foram mantidos no…

Justiça acelerou processos e muitas crianças ganharam um novo lar   Apesar de o número de adoções de crianças e adolescentes ter caído em média…

Leia mais
Regulamentação da duplicata digital deve ampliar acesso ao crédito empresarial

Regulamentação da duplicata digital deve ampliar acesso ao crédito empresarial

Transição da emissão em papel para o modelo virtual pode entrar em vigor nas próximas semanas   A aceleração da transformação digital trazida pela pandemia…

Leia mais
Consultoria jurídica no setor tecnológico exige atualização constante e foco em pesquisa e desenvolvimento

Consultoria jurídica no setor tecnológico exige atualização constante e foco…

Andersen Ballão Advocacia ajuda empresas a estruturar o modelo de negócio desde o início para levar soluções reais ao mercado     Para ajudar empresas…

Leia mais