Artigos e Publicações

A exclusão do ICMS das bases de cálculo do PIS e da COFINS e a recente orientação restritiva da RFB

A exclusão do ICMS das bases de cálculo do PIS e da COFINS e a recente orientação restritiva da RFB

Publicado em 07/01/2020

ABA recomenda análise criteriosa da decisão judicial diante do novo posicionamento

Após a definição pelo Supremo Tribunal Federal (STF) de que “o ICMS não integra a base de cálculo das contribuições para o Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS)” (RESP 574.706), permanecem discussões quanto ao grande impacto que a referida decisão terá nos cofres públicos, especialmente diante da inexistência de modulação dos efeitos até o momento.

Para os contribuintes, o julgamento representou uma grande vitória, mas sua operacionalização depende ainda de esclarecimentos. Isso porque a Receita Federal do Brasil editou recentemente a Solução de Consulta COSIT nº 13/2018, formalizando seu entendimento acerca dos critérios que devem ser observados quando do levantamento de créditos e/ou aproveitamento das decisões judiciais que reconheceram o direito dos contribuintes de excluir o ICMS da base de cálculo das contribuições.

Em síntese, de acordo com a Solução de Consulta, a interpretação administrativa conferida à decisão do STF aponta para que o montante a ser excluído da base de cálculo do PIS e da COFINS seja o “ICMS a recolher” e não o “imposto destacado nas notas fiscais”. Ou seja, a RFB pretende restringir os eventuais créditos decorrentes das medidas judiciais, ao reconher a exclusão apenas do saldo de ICMS recolhido pelos contribuintes e que, por vezes, pode sequer ocorrer (por exemplo, diante da existência de créditos acumulados).

Para o Departamento Tributário da ABA, a orientação da RFB pode ser questionada, na medida que, salvo esclarecimento contrário pelo STF no futuro, o ICMS a ser excluído é efetivamente o destacado no documento fiscal, independentemente de eventual forma de pagamento/compensação.

No entanto, cada caso deve ser analisado individualmente, especialmente em virtude da vinculação da decisão no âmbito da Receita Federal . “O primeiro passo é verificar o que a própria decisão judicial do cliente discorreu acerca do imposto passível de exclusão das bases de cálculo das contribuições”, especifica a sócia do Departamento Tributário da ABA Barbara das Neves.

Para as situações em que ainda não exista decisão transitada em julgado, Barbara analisa que “é preciso atentar para a forma como a decisão será proferida, de modo a solicitar eventual esclarecimento ao juiz/Tribunal e evitar questionamentos futuros”.

Matérias Relacionadas

Observatório da Cultura Paranaense promove união de entidades inédita no estado

Observatório da Cultura Paranaense promove união de entidades inédita no…

Com assessoria jurídica da Andersen Ballão Advocacia, entidade apoia projetos culturais, científicos, históricos, literários, artísticos, gastronômicos, entre outros   Sediado oficialmente no prédio histórico do…

Leia mais
Clareza do contrato social é importante em favor da continuidade da empresa após a morte de sócios

Clareza do contrato social é importante em favor da continuidade…

DREI admite a transferência de quotas sem alvará judicial ou escritura pública de partilha   Uma decisão recente do Departamento Nacional de Registro Empresarial e…

Leia mais
Convênio da ABA com o Programa FAE LAW Experience capacita estudantes para a prática do direito

Convênio da ABA com o Programa FAE LAW Experience capacita…

O desenvolvimento das habilidades pessoais e profissionais necessárias no mercado jurídico é o foco da parceria   A prática do direito requer, por natureza, atualização…

Leia mais