Artigos e Publicações

A exclusão do ICMS das bases de cálculo do PIS e da COFINS e a recente orientação restritiva da RFB

A exclusão do ICMS das bases de cálculo do PIS e da COFINS e a recente orientação restritiva da RFB

Publicado em 7 de janeiro de 2020

ABA recomenda análise criteriosa da decisão judicial diante do novo posicionamento

Após a definição pelo Supremo Tribunal Federal (STF) de que “o ICMS não integra a base de cálculo das contribuições para o Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS)” (RESP 574.706), permanecem discussões quanto ao grande impacto que a referida decisão terá nos cofres públicos, especialmente diante da inexistência de modulação dos efeitos até o momento.

Para os contribuintes, o julgamento representou uma grande vitória, mas sua operacionalização depende ainda de esclarecimentos. Isso porque a Receita Federal do Brasil editou recentemente a Solução de Consulta COSIT nº 13/2018, formalizando seu entendimento acerca dos critérios que devem ser observados quando do levantamento de créditos e/ou aproveitamento das decisões judiciais que reconheceram o direito dos contribuintes de excluir o ICMS da base de cálculo das contribuições.

Em síntese, de acordo com a Solução de Consulta, a interpretação administrativa conferida à decisão do STF aponta para que o montante a ser excluído da base de cálculo do PIS e da COFINS seja o “ICMS a recolher” e não o “imposto destacado nas notas fiscais”. Ou seja, a RFB pretende restringir os eventuais créditos decorrentes das medidas judiciais, ao reconher a exclusão apenas do saldo de ICMS recolhido pelos contribuintes e que, por vezes, pode sequer ocorrer (por exemplo, diante da existência de créditos acumulados).

Para o Departamento Tributário da ABA, a orientação da RFB pode ser questionada, na medida que, salvo esclarecimento contrário pelo STF no futuro, o ICMS a ser excluído é efetivamente o destacado no documento fiscal, independentemente de eventual forma de pagamento/compensação.

No entanto, cada caso deve ser analisado individualmente, especialmente em virtude da vinculação da decisão no âmbito da Receita Federal . “O primeiro passo é verificar o que a própria decisão judicial do cliente discorreu acerca do imposto passível de exclusão das bases de cálculo das contribuições”, especifica a sócia do Departamento Tributário da ABA Barbara das Neves.

Para as situações em que ainda não exista decisão transitada em julgado, Barbara analisa que “é preciso atentar para a forma como a decisão será proferida, de modo a solicitar eventual esclarecimento ao juiz/Tribunal e evitar questionamentos futuros”.

Matérias Relacionadas

Mesmo com a pandemia, adoções e acolhimentos foram mantidos no país

Mesmo com a pandemia, adoções e acolhimentos foram mantidos no…

Justiça acelerou processos e muitas crianças ganharam um novo lar   Apesar de o número de adoções de crianças e adolescentes ter caído em média…

Leia mais
Regulamentação da duplicata digital deve ampliar acesso ao crédito empresarial

Regulamentação da duplicata digital deve ampliar acesso ao crédito empresarial

Transição da emissão em papel para o modelo virtual pode entrar em vigor nas próximas semanas   A aceleração da transformação digital trazida pela pandemia…

Leia mais
Consultoria jurídica no setor tecnológico exige atualização constante e foco em pesquisa e desenvolvimento

Consultoria jurídica no setor tecnológico exige atualização constante e foco…

Andersen Ballão Advocacia ajuda empresas a estruturar o modelo de negócio desde o início para levar soluções reais ao mercado     Para ajudar empresas…

Leia mais