Artigos e Publicações

A Súmula 443 do TST e as limitações ao poder diretivo do empregador

A Súmula 443 do TST e as limitações ao poder diretivo do empregador

Publicado em 7 de janeiro de 2020

Corte entende como discriminatória a dispensa imotivada dos trabalhadores portadores de doenças estigmatizadas A Súmula 443 do Tribunal Superior do Trabalho – TST, publicada em setembro de 2012, consolidou como discriminatória a dispensa imotivada dos trabalhadores portadores de HIV e outras doenças que causam estigmas ou preconceitos.

Baseado no poder diretivo, o empregador é titular do direito de despedir, ou mesmo, sancionar quem está sob sua dependência, prestando serviços como seu empregado. Mas, amparada no princípio da proteção, a legislação brasileira de outro lado protege o trabalhador das hipóteses de dispensa imotivada – sem justa causa – e agora, também, contra a despedida discriminatória.

Para Ana Claudia Cericatto, sócia do Departamento Trabalhista da Andersen Ballão Advocacia, o que se questiona é que o poder diretivo do empregador esbarra nos direitos e garantias individuais. O empregador pode exercer seu direito de dispensa, mas referido direito não é absoluto. “Apesar dos empregadores possuírem o poder de demitir seus empregados quando for do interesse, este pode ser relativizado em prol do bem social. É preciso analisar cuidadosamente as circunstâncias de cada caso concreto para evitar processos por dispensa discriminatória”, afirma.

Mesmo com a reforma trabalhista, os empregadores não conquistaram novos argumentos jurídicos para se defender do entendimento esboçado na Sumula. “A reforma trabalhista não considerou a questão, uma vez que o entendimento é formado por decisões reiteradas de juízes trabalhistas, Sumula 443 do TST, e não por um dispositivo legal da CLT”, indica a advogada.

Em caso de condenação, o empregador é obrigado a reintegrar o empregado, além de indenizá-lo por danos morais causados pela dispensa em momento inoportuno, com a justificativa de que tal dispensa intensifica os males dos quais o trabalhador já sofre. O empregador deve ainda indenizar o período em que o empregado ficou afastado do emprego.

Assim sendo, as empresas devem sempre avaliar com cautela casos que possam se enquadrar nas restrições da Sumula, a fim de se evitar consequências negativas posteriores.

Matérias Relacionadas

IAOSP promove vídeos especiais da Orquestra Sinfônica no fim de ano

IAOSP promove vídeos especiais da Orquestra Sinfônica no fim de…

Criações multimídia de 2020 encantaram público pela seleção de obras e criatividade; conheça algumas delas   Após oito meses de muita criatividade e inúmeras gravações…

Leia mais
Em entrevista, Dr. Ballão destaca legado de Alfredo Andersen

Em entrevista, Dr. Ballão destaca legado de Alfredo Andersen

Advogado e bisneto do artista trouxe detalhes do trabalho de conservação e divulgação da memória do pintor. Assista pelo YouTube Bisneto de Alfredo Andersen, o…

Leia mais
Home office exige responsabilidade e cuidados

Home office exige responsabilidade e cuidados

Advogada da ABA lembra que tanto a empresa quanto o colaborador têm obrigações a cumprir durante a pandemia   Apesar do grande número de empresas…

Leia mais