Artigos e Publicações

Alterações tributárias regulamentam políticas industriais

Alterações tributárias regulamentam políticas industriais

Publicado em 7 de janeiro de 2020

A advogada Maria Alice Boscardin analisa mudanças advindas da Medida Provisória 651/2014

Na quinta-feira do dia 10 de julho, o Governo Federal publicou no Diário Oficial da União a Medida Provisória 651/2014. A recente MP sugere alterações significativas na legislação tributária nacional regulamentando diversas medidas de política industrial. De acordo com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, entre os objetivos de tal iniciativa estão o estímulo à competitividade na indústria e a viabilização da entrada de pequenas e médias empresas na bolsa de valores, facilitando o acesso ao mercado de capitais. Abaixo, acompanhe algumas das novas regras que se destacam na Medida Provisória 651 e a apreciação da advogada tributária da Andersen Ballão Advocacia, Maria Alice Boscardin, sobre o tema.

* No que diz respeito à bolsa de valores, por meio da MP 651, o ganho de capital auferido por pessoas físicas na venda de ações emitidas por empresas que cumpram requisitos determinados pela própria MP passa a ser isento do imposto de renda de 15% cobrado anteriormente. A isenção vai valer até 2023 e a ação, segundo Mantega, visa democratizar ainda mais o acesso ao mercado de capitais.

* O Governo Federal também anunciou a reinstituição do Reintegra (Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras) e a intenção de torná-lo permanente. O Reintegra devolve aos exportadores de manufaturados um percentual da receita de exportação e, permite a compensação destes créditos com tributos indiretos, entre outros benefícios. Neste quesito a MP pôs um fim à discussão acerca da tributação da receita decorrente da apropriação destes créditos sendo que, determinou que tais valores não devem ser tributados pelo IRPJ/CSLL tampouco pelas contribuições ao PIS/COFINS.

* Outra novidade trazida pela MP 651 relaciona-se à desoneração da folha de pagamento. Para as empresas abrangidas pela Lei 12.546/2011 as regras da Contribuição Previdenciária sobre a Receita Bruta (CPRB) tornam-se definitivas. Estas empresas não estão sujeitas à Contribuição Previdenciária Patronal (20% sobre a folha de pagamento), devendo, em substituição, recolher a CPRB com alíquotas entre 1 a 2 %.

* O chamado ‘REFIS da COPA’ também sofreu alterações pela MP 651. Além do prazo limite para se inscrever no programa ter sido alterado para o dia 25 de agosto, as parcelas de entrada agora variam de acordo com o total do débito que será parcelado – desde 5% para dívidas de R$ 1 milhão, até 20% para dívidas acima de R$ 20 milhões. Uma outra novidade é com relação à possibilidade de quitar débitos já parcelados com estoque de prejuízo fiscal e base negativa de CSLL, mediante a antecipação em espécie de 30% do remanescente do valor parcelado.

Segundo análise de Maria Alice Borcardin, um dos motivos que desencadeou tais alterações tributárias em 2014 se relaciona com a proximidade das eleições. “Todas estas ‘bondades tributárias’ nos dão a nítida impressão de que o governo quer, além de levantar o caixa do Governo Federal, também agradar os contribuintes com a opção de quitar seus débitos fiscais de forma vantajosa”, avalia.

A advogada do Departamento Tributário da Andersen Ballão ressalta, que o empresariado deve aproveitar este contexto e se beneficiar, principalmente, da reabertura do REFIS, pois ressalta se tratar de uma ação temporária. “Para os que apresentam dívidas, o momento é ideal para colocar a casa em ordem e recomeçar”, acentua Maria Alice.

Com relação às medidas de caráter permanente, a advogada da ABA aconselha os empresários a atentarem para como tais mudanças afetarão o dia-a-dia das empresas e definirem qual a melhor forma de se adaptar a estas alterações. Ela sugere: “apesar das mudanças, em sua maioria, representarem um benefício fiscal, deve-se também prestar atenção para as alterações que não necessariamente serão benéficas para todos. Como, por exemplo, a CPRB – que agora tem caráter permanente e ao invés de representar um alento, pode, em certas circunstancias, onerar o contribuinte”.

Matérias Relacionadas

Comemorações dos 160 anos de Andersen destacam legado valioso do pai da pintura paranaense

Comemorações dos 160 anos de Andersen destacam legado valioso do…

Museu Casa Alfredo Andersen promoveu semana de eventos virtuais que celebraram e educaram a respeito das artes   No mês em que Alfredo Andersen completaria…

Leia mais
Processo migratório laboral para o Brasil e LGPD na saúde suplementar foram debatidos pelos times da ABA em novembro

Processo migratório laboral para o Brasil e LGPD na saúde…

Oportunidade de disseminar informações no mundo virtual tem sido amplamente utilizada pelo escritório ao longo do ano   Motivada por dúvidas frequentes de seus clientes…

Leia mais
Comprovação de dispêndios do programa Rota 2030 é postergada

Comprovação de dispêndios do programa Rota 2030 é postergada

Saiba a importância da adequação dos dados para garantir esse benefício fiscal destinado ao setor automotivo   Um dos programas de incentivo fiscal mais úteis…

Leia mais