Artigos e Publicações

Contribuinte processa a Receita Federal por danos morais

Contribuinte processa a Receita Federal por danos morais

Publicado em 7 de janeiro de 2020

Insistência na cobrança de valores indevidos motivou a ação

Recentemente, a União foi condenada a pagar indenização de R$ 15 mil a título de danos morais a um contribuinte de Curitiba por ter lhe cobrado indevidamente Imposto de Renda. A sentença foi confirmada pela 2ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª região em Ação Ordinária (no 5029780-43.2013.404.7000/PR). O contribuinte pediu a anulação da cobrança juntamente com a condenação do Fisco ao pagamento de indenização por danos morais.

Giulia Deboni, do Departamento Tributário da Andersen Ballão, explica que o fato de ser portador de doença incapacitante foi o que levou o contribuinte à isenção de pagamento de imposto de renda. “Por sua condição, inicialmente o contribuinte solicitou à Receita Federal tal isenção. Porém, ele teve seu pedido negado nesta primeira solicitação – o que o levou a recorrer à Justiça, que lhe deu ganho de causa”, esclarece Giulia, que acrescenta: “não obstante, ele foi surpreendido com autuação por débitos de imposto. Isto o fez voltar à Justiça para anular a cobrança”.

Apesar de obter sentença que anulou a cobrança indevida, o curitibano foi notificado novamente pelo Fisco acerca de débitos de IRPF. “Foi nesse momento que o autor foi à Justiça pedindo a anulação do lançamento e a condenação da União ao pagamento de indenização por danos morais, em virtude da insistência na cobrança”, detalha Deboni.

A integrante do Departamento Tributário destaca o entendimento constante da sentença confirmada pelo TRF. O dano moral, nesse caso, decorreu diretamente da notificação fiscal lançada ao autor, mesmo diante de decisão judicial que o exime de contribuir com Imposto de Renda por ser portador de doença incapacitante.

Apesar da confirmação pelo Tribunal, o Desembargador Rômulo Pizzolatti proferiu voto divergente . Ele afirmou que a ideia de dano moral diz respeito à dor extremada ou sofrimento atroz de alguém em decorrência de um ato ilícito de outro. No caso concreto, o desembargador entendeu que o autor demonstrou o ilícito, mas não comprovou que sofreu dor significativa em decorrência dele. “No entendimento do desembargador, deveria incidir a regra do artigo 940 do Código Civil, que disciplina que a cobrança de dívida paga ou a cobrança em valor superior ao devido implica a restituição em dobro do excesso cobrado”, analisa Giulia.

De acordo com Giulia, este caso é um importante precedente para reconhecer a possibilidade de autuar o Fisco. “Principalmente por indenização por danos morais em caso de insistência na cobrança de valores de contribuintes que possuem decisão judicial isentando-os do pagamento”, enfatiza.

Matérias Relacionadas

Empresas devem correr para cumprir prazo da ECF e Lei do Bem

Empresas devem correr para cumprir prazo da ECF e Lei…

Prestação de contas ao fisco e solicitação do incentivo fiscal estão entre as principais demandas tributárias do ano. Prazo vence dia 30 de setembro  …

Leia mais
Voluntariado remoto é oportunidade para empresas ampliarem atividades sociais na pandemia

Voluntariado remoto é oportunidade para empresas ampliarem atividades sociais na…

Descubra como cada setor pode utilizar essa modalidade para marcar presença na área de responsabilidade social   Sua empresa dá oportunidade aos funcionários de trabalhar…

Leia mais
Novas regras de marketing jurídico devem ser usadas para difundir conteúdo relevante

Novas regras de marketing jurídico devem ser usadas para difundir…

Andersen Ballão Advocacia atualiza práticas para garantir uma comunicação democrática e informativa   Trazer informações embasadas, atuais e de interesse público é também um serviço…

Leia mais