Artigos e Publicações

Cultura de doação precisa continuar no pós-pandemia

Cultura de doação precisa continuar no pós-pandemia

Publicado em 5 de agosto de 2020

A filantropia aumenta em tempos de crise, mas ela precisa integrar nossa mentalidade em prol de um maior desenvolvimento

Apesar da terrível crise sanitária pela qual passa o Brasil, quando o assunto é a cultura de doação, os números são otimistas, mesmo com os grandes desafios que as instituições filantrópicas enfrentam. O papel do Terceiro Setor é mais que essencial para o desenvolvimento de um país, e, nos momentos de crise, essa realidade se torna mais que evidente. 

De acordo com a edição 2020 do relatório Brasil Giving Report – Um Retrato da Doação no Brasil, oito em cada dez brasileiros (82%) acreditam que as organizações da sociedade civil (OSCs) apresentaram um impacto positivo no país no último ano. Na pesquisa anterior, 73% dos brasileiros tinham essa percepção. A visão positiva em relação às OSCs se reflete no aumento das doações durante a crise causada pela covid-19. Para Marcella Souza, coordenadora do Departamento de Assuntos Culturais e de Terceiro Setor da ABA, as pessoas começaram a entender e perceber a diferença que as organizações fazem na sociedade. 

“Temos que aproveitar o momento de crise para enxergar oportunidades. Vejo que a percepção da sociedade mudou com a realidade da pandemia, passando a valorizar mais o terceiro setor. Acredito que ainda temos um caminho longo pela frente, mas a consciência e o comportamento das pessoas mudaram e precisamos garantir que, depois desse difícil período, essa cultura se perpetue”, analisa. 

O relatório Brasil Giving Report traz um dado importante com relação às causas que estimulam a maior parte das doações no país. São elas: organizações religiosas e igrejas (49%), crianças ou jovens (39%) e o combate à pobreza (30%). A proporção de brasileiros que fazem trabalho voluntário não muda desde 2017, atingindo metade dos entrevistados (53% em 2019 e 2018 contra 52% em 2017). Entre as principais razões para doar descritas pelos brasileiros estão: “porque me sinto bem” (52%); “me preocupo com a causa” (44%) e “quero ajudar as pessoas menos favorecidas” (43%).

A advogada reforça a importância da análise dos dados para criar estratégias de campanhas mais eficientes e que ultrapassem fronteiras. “Para criarmos ações fortes, precisamos cada vez mais investir em dados e atingir as pessoas de forma assertiva. O engajamento da sociedade está maior, porém, não podemos deixar que isso acabe quando tudo se regularizar. O brasileiro precisa continuar os investimentos nas organizações filantrópicas, pois, paralelamente ao governo, elas auxiliam no desenvolvimento da sociedade e, muitas vezes, chegam a lugares que, infelizmente, o governo não consegue atender”, revela. 

Comunicação Andersen Ballão Advocacia

Matérias Relacionadas

A COVID-19 é doença ocupacional ou não? Como renegociar contratos empresariais na pandemia? Descubra nos webinars da ABA de outubro

A COVID-19 é doença ocupacional ou não? Como renegociar contratos…

Advogados trazem temas que preocupam empresas em todo o país e que tendem a gerar consequências de longo prazo   Após o sucesso da primeira…

Leia mais
Com adesão ao programa de empoderamento feminino da ONU (WEPs), ABA fomenta igualdade de gênero

Com adesão ao programa de empoderamento feminino da ONU (WEPs),…

Andersen Ballão é o primeiro escritório de advocacia signatário em Curitiba   A Andersen Ballão Advocacia formalizou sua adesão ao programa da ONU sobre princípios…

Leia mais
Setor automotivo conta com expertise e sinergia de todos os departamentos da ABA

Setor automotivo conta com expertise e sinergia de todos os…

Necessidades jurídicas de fabricantes de componentes automotivos incluem áreas trabalhista, tributária, regulatória, contratual, corporativa e litigiosa cível   O setor automotivo representa cerca de 5%…

Leia mais