Artigos e Publicações

Entrada em vigor da LGPD exige adequação das empresas

Entrada em vigor da LGPD exige adequação das empresas

Publicado em 2 de setembro de 2020

Quem ainda não tomou providências deve procurar assessoria para garantir o correto seguimento das novas normas de privacidade

Depois de muitas idas e vindas, no dia 26 de agosto o Senado Federal aprovou projeto de lei que definiu a vigência imediata da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). O projeto aguarda apenas sanção presidencial, tornando urgente a adequação das empresas à nova legislação. Por outro lado, a fiscalização pela Autoridade Nacional de Proteção de Dados iniciará apenas em agosto de 2021.

“A Lei trata de dados pessoais, relacionados a pessoas físicas e estabelece regras e boas práticas sobre o tratamento desses dados. E um programa de adequação garante a adoção das medidas cabíveis técnicas e operacionais para conformidade”, explica a advogada do Departamento Societário da ABA, Camila Camargo, especialista no tema. 

“Um dado pessoal é um conceito amplo e bastante concreto. Representa informações que podem identificar direta ou indiretamente uma pessoa física, como nome, CPF, RG, dados bancários e até mesmo o endereço IP e dados biométricos”, alerta a advogada.

“As empresas, portanto, precisam ter mecanismos para garantir o atendimento a estes direitos, aos princípios e obrigações estabelecidos na LGPD”, explica Camila.

O que muda na prática?

Na prática, há um novo panorama no que toca a importância da proteção de dados pessoais, independentemente do nível de privacidade e sigilo desses dados. Os titulares de dados pessoais terão mais controle sobre eles, e as empresas que os utilizam terão a obrigação de utilizá-los de forma adequada, somente para finalidades específicas e no mínimo necessário e de acordo com os princípios e bases legais que autorizam o tratamento.

Em geral, é possível dizer que parte das empresas estão se preparando para a nova realidade. “É um processo longo e que pressupõe uma mudança de cultura e mentalidade. Na Europa, que tem a lei em vigor há dois anos, ainda se fala bastante de implementação”, exemplifica Camila.

No webinar realizado pela ABA dia 1º de setembro, foi possível esclarecer dúvidas dos participantes e trazer uma perspectiva mais prática para o tema.

Matérias Relacionadas

A COVID-19 é doença ocupacional ou não? Como renegociar contratos empresariais na pandemia? Descubra nos webinars da ABA de outubro

A COVID-19 é doença ocupacional ou não? Como renegociar contratos…

Advogados trazem temas que preocupam empresas em todo o país e que tendem a gerar consequências de longo prazo   Após o sucesso da primeira…

Leia mais
Com adesão ao programa de empoderamento feminino da ONU (WEPs), ABA fomenta igualdade de gênero

Com adesão ao programa de empoderamento feminino da ONU (WEPs),…

Andersen Ballão é o primeiro escritório de advocacia signatário em Curitiba   A Andersen Ballão Advocacia formalizou sua adesão ao programa da ONU sobre princípios…

Leia mais
Setor automotivo conta com expertise e sinergia de todos os departamentos da ABA

Setor automotivo conta com expertise e sinergia de todos os…

Necessidades jurídicas de fabricantes de componentes automotivos incluem áreas trabalhista, tributária, regulatória, contratual, corporativa e litigiosa cível   O setor automotivo representa cerca de 5%…

Leia mais