Artigos e Publicações

Flexibilização na norma de proteção aos salários

Flexibilização na norma de proteção aos salários

Publicado em 07/01/2020

TST reconhece legitimidade de negociação coletiva para mudança de data no pagamento de remunerações

Em março deste ano, a Secretaria de Comunicação Social do Tribunal Superior do Trabalho divulgou uma decisão incomum ao TST. O Tribunal considerou válida uma cláusula de acordo coletivo que alterou a data de pagamento dos salários do Hospital Nossa Senhora da Conceição, de Santa Catarina. A medida suscitou intenso debate entre os ministros da SDI-1 (Subseção I de Dissídios Individuais). Segundo a advogada do Departamento Trabalhista da Andersen Ballão Advocacia, Daniele Esmanhotto Duarte, o debate decorre do fato de haver um confronto direto entre dois princípios norteadores do direito do trabalho: de um lado, o princípio da proteção ao salário; de outro, o da negociação coletiva.

Em declaração veiculada no site do TST, o presidente da casa, ministro Barros Levenhagen, ressaltou a excepcionalidade do caso envolvendo o Hospital Nossa Senhora da Conceição. Ele expôs que tal decisão só foi tomada diante de contexto específico: o pagamento dos salários do Hospital está vinculado ao repasse de recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) e a mudança de data se deu para evitar o colapso financeiro da entidade. “O TST não pode decidir sem pensar nas consequências sociais e econômicas de suas ações. Ao decidir de forma contrária, estaríamos empurrando o hospital para a insolvência”, afirmou Levenhagen.

De acordo com Daniele Duarte, apesar de a decisão constituir um precedente quanto à flexibilização de norma de proteção ao salário, a inclusão de cláusulas que disponham sobre direitos mínimos e fundamentais em acordo coletivo de trabalho não será sempre admitida em todas as circunstâncias. “O que ocorre, ao meu entender, é que tal decisão demonstra uma maior sensibilidade do Judiciário para as dificuldades econômico-financeiras enfrentadas em setores específicos da economia, tendo sido proferida em consonância ao princípio da adequação negocial setorizada”, explica.

A advogada da Andersen Ballão reforça, ainda, que a dilação do prazo para pagamento de salários – principal obrigação do empregador e, por isso, protegida legalmente de variadas formas – por meio de instrumentos normativos, não pode ser admitida indiscriminadamente. Entretanto, ela reconhece que a recente decisão do TST, embora seja pontual, poderia ser aplicada também em situações peculiares, inclusive como medida de proteção contra a insolvência do empregador, possibilitando o restabelecimento financeiro da empresa e, por consequência, a garantia da continuidade dos contratos de trabalho.

Matérias Relacionadas

Observatório da Cultura Paranaense promove união de entidades inédita no estado

Observatório da Cultura Paranaense promove união de entidades inédita no…

Com assessoria jurídica da Andersen Ballão Advocacia, entidade apoia projetos culturais, científicos, históricos, literários, artísticos, gastronômicos, entre outros   Sediado oficialmente no prédio histórico do…

Leia mais
Clareza do contrato social é importante em favor da continuidade da empresa após a morte de sócios

Clareza do contrato social é importante em favor da continuidade…

DREI admite a transferência de quotas sem alvará judicial ou escritura pública de partilha   Uma decisão recente do Departamento Nacional de Registro Empresarial e…

Leia mais
Convênio da ABA com o Programa FAE LAW Experience capacita estudantes para a prática do direito

Convênio da ABA com o Programa FAE LAW Experience capacita…

O desenvolvimento das habilidades pessoais e profissionais necessárias no mercado jurídico é o foco da parceria   A prática do direito requer, por natureza, atualização…

Leia mais