Artigos e Publicações

Gestão sustentável é chave para contornar momentos de crise no setor social

Gestão sustentável é chave para contornar momentos de crise no setor social

Publicado em 3 de novembro de 2020

Veja quais são as tendências de mercado apontadas por grupo de estudos para médio e longo prazo

Apesar de a pandemia ter despertado inúmeras ações de solidariedade tanto por parte de pessoas como de empresas, é fato que muitas contribuições regulares realizadas previamente ao setor social foram afetadas. Com base na experiência dos últimos sete meses e no prognóstico apontado pelo estudo “Cenários e tendências sobre o campo
de negócios de impacto e intermediários frente à covid-19”, da Rede Temática de Negócios de Impacto do Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (GIFE), a Andersen Ballão Advocacia (ABA) traz algumas orientações.

“Um grande impacto para o setor social neste momento vem da diminuição do investimento financeiro periódico”, explica a advogada Marcella Souza, do Departamento de Assuntos Culturais e Terceiro Setor da ABA. “Por outro lado, crescem as ações que não dependem exclusivamente de valores financeiros, incluindo o aumento nas doações
via pessoas física, tais como alimentos, insumos, produtos de higiene etc., principalmente em ações sociais voltadas às pessoas que perderam seus empregos e passam por necessidades básicas.”

Como forma de apontar caminhos para amenizar essa situação, o mapeamento do GIFE pesquisou a fundo diversos negócios de impacto social, que são empreendimentos que buscam criar mercados por meio da inovação para promover a transformação social. São mais de 800 negócios de impacto social no Brasil, de acordo com levantamento do Sebrae. Entre eles, podemos destacar o exemplo do Moradigna, que busca melhorar as condições de moradia de pessoas em situação de insalubridade. Outro caso que se destaca é o Banco Pérola, que concede crédito a micro e pequenos empreendedores.

Entre as diferentes fundações, cooperativas e associações pesquisadas pelo GIFE, foram levantadas oportunidades para médio e longo prazo.

Até março de 2021, o cenário é visto como pessimista a neutro, com o surgimento de mais negócios de impacto, maior sensibilização e engajamento do setor privado e aumento de doadores/financiadores, com o fortalecimento dos negócios que resistirem ao impacto da crise.

Já após março do ano que vem, a pesquisa aponta cenário de neutro a otimista, com os negócios de impacto ocupando posição central nas carteiras/portfólios de investidores. Isso mesmo com a ampliação do mercado de atuação, por conta do aumento da pobreza e da maior conscientização de como funcionam esses negócios. Com base nessa realidade e nas perspectivas de melhoria, a advogada da ABA salienta a importância de elaborar um planejamento de ações e recursos, de forma a se precaver contra momentos de queda de receita. “A principal indicação é investir em uma gestão administrativa e financeira sustentável, consciente e continuada, com planejamentos de curto, médio e longo prazo”, destaca Marcella.

Como apontado pelo mapeamento do GIFE, planejar e conhecer a fundo seu negócio, seja ele com ou sem fins lucrativos, é a melhor forma de estar capacitado para aproveitar as oportunidades quando elas surgirem.

 

Matérias Relacionadas

Prorrogação de envio da Declaração de Imposto de Renda  traz alívio aos contribuintes

Prorrogação de envio da Declaração de Imposto de Renda traz…

Saiba também como doar sua restituição pelo Imposto Solidário a fundos cadastrados Com as dificuldades trazidas pela pandemia da covid-19, a Receita Federal adiou a…

Leia mais
Serviços aduaneiros estão no DNA da Andersen Ballão  Advocacia

Serviços aduaneiros estão no DNA da Andersen Ballão Advocacia

Escritório oferece assessoria multidisciplinar para prover soluções ágeis e completas no comércio exterior Com o crescimento nas vendas internacionais de commodities, estima-se que o Brasil…

Leia mais
IAOSP debate limites entre música universal e regional

IAOSP debate limites entre música universal e regional

Série de gravações de concertos e entrevistas com pensadores culturais repensa a hierarquização cultural presente nas artes O que é melhor, o universal ou o…

Leia mais