Artigos e Publicações

Honorários advocatícios em causas trabalhistas

Honorários advocatícios em causas trabalhistas

Publicado em 07/01/2020

Alteração do Projeto de Lei 3.392/04 traz impasses no que diz respeito à contratação de advogados na esfera trabalhista

Sabe-se que, hoje, a legislação brasileira permite que as partes de uma causa trabalhista defendam por si só os seus interesses – sem a necessidade da contratação de um advogado para tanto. É o que se chama de jus postulandi. Daí decorre o motivo pelo qual, na Justiça do Trabalho, os honorários advocatícios só são devidos em caráter de exceção – se preenchidos dois requisitos, a saber, a assistência sindical e a precariedade econômica. Essa prática, porém, foi assim estabelecida quando a Justiça do Trabalho destinava-se a dirimir conflitos de pequena complexidade. Hoje, com litígios cada vez mais complexos, essa sistemática torna-se menos eficaz.

Nesse contexto, a deputada federal paranaense Dra. Clair apresentou o Projeto de Lei 3.392/04, estabelecendo a imprescindibilidade da presença de advogado nas ações trabalhistas. Em 2013, porém, o referido projeto foi alterado pelo Projeto 33/13. Saiba mais sobre o assunto com a advogada Daniele Duarte, atuante no Departamento Trabalhista do escritório Andersen Ballão Advocacia.

Pelo ponto de vista de Daniele, “o jus postulandi, na prática, mostra-se prejudicial à parte que, sozinha, por falta de domínio do direito material e processual, não consegue defender seus direitos de forma efetiva”. De acordo com a advogada, nesta situação, é possível que um pedido, facilmente reconhecido com o auxílio de um advogado, seja indeferido. Ocorre que, embora a presença do advogado se mostre imprescindível, a inexistência de honorários de sucumbência na Justiça do Trabalho faz com que o trabalhador despenda recursos com a contratação do profissional, o que impede sua integral restituição. Por outro lado, segundo Daniele, a ausência de honorários de sucumbência gera distorções e abusos na provocação do Judiciário: “muitas ações são ajuizadas como se fossem verdadeiros ‘bilhetes de loteria’”.

Para corrigir essas situações é que o Projeto de Lei 3.392 foi apresentado. Ele propõe a alteração do artigo 791 da Consolidação das Leis do Trabalho, a CLT. Além de estabelecer a imprescindibilidade da presença de advogado nas ações trabalhistas, dispõe sobre critérios para fixação de honorários advocatícios na Justiça do Trabalho. “O projeto original previa a fixação dos honorários na esfera trabalhista de forma similar ao que ocorre na esfera cível. Silenciava, contudo, quanto à condenação em caso de sucumbência recíproca”, explica a advogada do escritório Andersen Ballão.

Contudo, o projeto apresentado neste ano (PL 33/13) afasta expressamente a possibilidade de condenação recíproca a proporcional de honorários. “O atual projeto de lei veda expressamente a condenação recíproca e proporcional da sucumbência. Mas, ainda, define que a parte que declarar não possuir condições de demandar sem prejuízo do próprio sustento ou de sua família não sofrerá condenação em honorários advocatícios”, explica Duarte.

Daniele enfatiza que, “se aprovado o Projeto com a atual redação, na prática, os honorários advocatícios serão arcados apenas pela parte ré, acarretando um ônus ainda maior aos empregadores brasileiros”. Dessa forma, o Projeto de Lei 33 não alterará a verdadeira indústria de reclamatórias trabalhistas que se instalou no Brasil.

Matérias Relacionadas

Observatório da Cultura Paranaense promove união de entidades inédita no estado

Observatório da Cultura Paranaense promove união de entidades inédita no…

Com assessoria jurídica da Andersen Ballão Advocacia, entidade apoia projetos culturais, científicos, históricos, literários, artísticos, gastronômicos, entre outros   Sediado oficialmente no prédio histórico do…

Leia mais
Clareza do contrato social é importante em favor da continuidade da empresa após a morte de sócios

Clareza do contrato social é importante em favor da continuidade…

DREI admite a transferência de quotas sem alvará judicial ou escritura pública de partilha   Uma decisão recente do Departamento Nacional de Registro Empresarial e…

Leia mais
Convênio da ABA com o Programa FAE LAW Experience capacita estudantes para a prática do direito

Convênio da ABA com o Programa FAE LAW Experience capacita…

O desenvolvimento das habilidades pessoais e profissionais necessárias no mercado jurídico é o foco da parceria   A prática do direito requer, por natureza, atualização…

Leia mais