Artigos e Publicações

Lei de Recuperação Judicial completa dez anos

Lei de Recuperação Judicial completa dez anos

Publicado em 07/01/2020

Advogado da ABA analisa efeitos da legislação durante esse período

A Lei de Falências e Recuperação Judicial (LFRJ – 11.101/2005) completou dez anos de existência este ano. A legislação foi elaborada no intuito de reerguer empresas em dificuldade econômico-financeira elevando a recuperação de crédito. Segundo dados do INRE (Instituto Nacional de Recuperação Empresarial), desde a vigência da lei, já foram apresentadas cerca de 6,9 mil solicitações de recuperação e 3,8 mil pedidos de falência. Nos últimos três anos, em especial, as recuperações judiciais têm ganhado ainda mais destaque diante do atual contexto econômico pelo qual o Brasil tem passado. Acompanhe, abaixo, a análise que o advogado Rene Toedter faz sobre alguns efeitos da lei durante esse período.

Rene é especialista em Direito Processual Civil e mestre em Direito do Estado e atua no Departamento Contencioso da Andersen Ballão Advocacia desde 2003. Ao abordar as principais vantagens da criação da LFRJ, o advogado ressalta a possibilidade que a lei trouxe de que a empresa venda ativos, filiais ou unidades sem transferências de ônus trabalhistas e tributários. “Neste caso, o bem alienado não se contamina pelos problemas da má-gestão passada. Essa blindagem que a lei possibilita já foi bastante analisada e criticada, mas tem sido muito utilizada como alternativa para pagamento de credores ultimamente”, explica.

Sobre a necessidade ou não de atualização da lei após esses dez anos, Rene defende a busca por meios que garantam maior celeridade na recuperação judicial. “Hoje, o deferimento do pedido de recuperação é suficiente para suspender a tramitação dos processos de cobrança movidos contra a empresa recuperanda por 180 dias – como se todo o processo de recuperação fosse se encerrar neste tempo. Na prática, sabemos que não é isso o que ocorre”.

O advogado da ABA observa também que, nos últimos anos, o Judiciário tem analisado com mais cautela os pedidos de recuperação antes de deferi-los, na tentativa de coibir manobras das empresas devedoras (retirada de sócios e administradores para protegê-los, transferência de patrimônio entre empresas do grupo etc.). “Os juízes, inclusive, já não estão mais homologando automaticamente as decisões das assembleias de credores. Alguns chegam a buscar assessoria técnica especializada para verificarem se a reestruturação de uma empresa é ou não factível antes do processamento do pedido. Vejo essa ação como um passo extremamente importante para o aprimoramento da eficácia da lei”.

Matérias Relacionadas

Observatório da Cultura Paranaense promove união de entidades inédita no estado

Observatório da Cultura Paranaense promove união de entidades inédita no…

Com assessoria jurídica da Andersen Ballão Advocacia, entidade apoia projetos culturais, científicos, históricos, literários, artísticos, gastronômicos, entre outros   Sediado oficialmente no prédio histórico do…

Leia mais
Clareza do contrato social é importante em favor da continuidade da empresa após a morte de sócios

Clareza do contrato social é importante em favor da continuidade…

DREI admite a transferência de quotas sem alvará judicial ou escritura pública de partilha   Uma decisão recente do Departamento Nacional de Registro Empresarial e…

Leia mais
Convênio da ABA com o Programa FAE LAW Experience capacita estudantes para a prática do direito

Convênio da ABA com o Programa FAE LAW Experience capacita…

O desenvolvimento das habilidades pessoais e profissionais necessárias no mercado jurídico é o foco da parceria   A prática do direito requer, por natureza, atualização…

Leia mais