Artigos e Publicações

Modalidade Built to Suit ainda gera controvérsias

Modalidade Built to Suit ainda gera controvérsias

Publicado em 7 de janeiro de 2020

A Lei 12.744/12 amenizou inseguranças jurídicas, mas não alcança toda a complexidade destes modelos contratuais

Chama-se built to suit a uma modalidade de operação imobiliária bem específica. A expressão em inglês pode ser traduzida como “construção sob medida” ou “construção ajustada”. Neste formato de locação, um investidor viabiliza um empreendimento conforme necessidades de um futuro usuário – que ocupará o imóvel por período suficiente para que este empreendedor recupere o valor investido. Apenas há cerca de dois anos este tipo de contrato foi reconhecido como um formato de locação, por meio da Lei 12.744/2012. Por envolver situações contratuais peculiares, porém, mesmo esta legislação não tem sido suficiente para regular o built to suit.

Não se pode ignorar que houve um considerável avanço nas negociações que envolvem o built to suit com o advento da Lei 12.744. Assim defende o advogado do Departamento de Contencioso e Arbitragem da Andersen Ballão Advocacia, Hélio Carlos Kozlowski: “havia uma lacuna muito grande na legislação brasileira e, não raras vezes, os tribunais seguiam caminhos diferentes a respeito do mesmo tema. Diante disto, percebe-se que o maior problema foi, sim, resolvido”.

O advogado da ABA ressalta, entretanto, que existem diversas situações relacionadas a este modelo contratual que têm gerado controvérsias no Direito Brasileiro. A extensão da liberdade trazida pelo artigo 54 é citada por ele como exemplo. “Por meio deste artigo, percebe-se que ainda prevalecem no built to suit condições livremente pactuadas no contrato respectivo e, ainda, que pode ser convencionada a renúncia ao direito de revisão do valor dos aluguéis durante o prazo de vigência do contrato de locação”, explica Hélio.

Outra situação peculiar que também é observada no built to suit ocorre em caso de rescisão antecipada do vínculo locatício por parte do locatário. Nesta modalidade, o período de locação definido em contrato costuma ser longo, vai de 10 a 20 anos ou mais. Isto, para que seja possível ao empreendedor recuperar o valor investido na construção encomendada pelo usuário. “A lei dispõe que o locatário poderá devolver o imóvel desde que pague a multa pactuada, proporcional ao período de cumprimento do contrato. Entretanto, na sua falta, vale a multa que for judicialmente estipulada”, coloca o advogado, que acrescenta: “a referida multa, porém, não pode exceder a soma dos valores dos aluguéis a receber até o termo final da locação”.

Hélio Kozlowski alerta que, dada a natureza contratual do built to suit, se torna essencial que o contrato seja negociado e detalhado ao máximo, o que torna uma consultoria jurídica extremamente relevante. “Trata-se de um contrato que deve refletir o verdadeiro interesse dos contratantes, bem como evitar futuras interpretações conflitantes”, elucida.

Matérias Relacionadas

Comemorações dos 160 anos de Andersen destacam legado valioso do pai da pintura paranaense

Comemorações dos 160 anos de Andersen destacam legado valioso do…

Museu Casa Alfredo Andersen promoveu semana de eventos virtuais que celebraram e educaram a respeito das artes   No mês em que Alfredo Andersen completaria…

Leia mais
Processo migratório laboral para o Brasil e LGPD na saúde suplementar foram debatidos pelos times da ABA em novembro

Processo migratório laboral para o Brasil e LGPD na saúde…

Oportunidade de disseminar informações no mundo virtual tem sido amplamente utilizada pelo escritório ao longo do ano   Motivada por dúvidas frequentes de seus clientes…

Leia mais
Comprovação de dispêndios do programa Rota 2030 é postergada

Comprovação de dispêndios do programa Rota 2030 é postergada

Saiba a importância da adequação dos dados para garantir esse benefício fiscal destinado ao setor automotivo   Um dos programas de incentivo fiscal mais úteis…

Leia mais