Artigos e Publicações

Nova lei moderniza recuperação de empresas em dificuldade

Nova lei moderniza recuperação de empresas em dificuldade

Publicado em 1 de março de 2021

Lei nº 14.112/20 facilita a concessão de financiamentos, o parcelamento de dívidas tributárias e a negociação com credores para evitar a decretação de falência

 

Além da burocracia encontrada pelo empresário brasileiro na abertura do seu negócio, no caso de necessidade de recuperação judicial, existem ainda obrigações e procedimentos previstos em lei a serem cumpridos. Com a aprovação da Lei nº 14.112/20, conhecida como Nova Lei de Falência, surgem algumas facilitações para preservar a atividade empresarial nesse momento tão indesejável na vida de qualquer empreendedor.

“São questões de extrema relevância quando o tema é a recuperação de uma empresa, sobretudo no atual cenário econômico do país”, explica a advogada Camilla Oshima, do Departamento de Contencioso e Arbitragem da Andersen Ballão Advocacia. “Antes, era comum empresas em recuperação judicial não lograrem êxito no cumprimento das obrigações previstas no plano de recuperação judicial por dificuldades financeiras, o que ensejava a sua convolação em falência. As alterações ampliam as alternativas para o reestabelecimento de ativos e quitação dos débitos”, acrescenta.

De acordo com a advogada, com a nova legislação é possível realizar uma negociação mais próxima com os credores, principalmente em relação às condições de pagamento dos créditos e aprovação do plano de recuperação judicial, o que pode até mesmo evitar a decretação da falência.

Entre outros pontos, a nova lei permite que o dono da empresa tome financiamentos na fase de recuperação judicial e parcele dívidas tributárias federais, e que credores apresentem um plano de recuperação.

Por outro lado, determinados pontos do Projeto de Lei nº 4.458/20 foram vetados, por apresentar medidas contrárias ao interesse público e que até mesmo violavam normas orçamentárias, princípios e dispositivos do Código Tributário Nacional.

Mais eficiência para as empresas 

A mudança legal representa uma importante modernização no cenário empresarial brasileiro, especialmente no contexto atual, marcado por forte crise econômica internacional. “As alterações na lei atualizam a condução das falências e das recuperações judiciais, pois preveem situações e medidas que antes eram inviáveis, o que permite propor soluções alternativas à empresa em dificuldades, com maior eficiência e agilidade para sua reestruturação”, acredita a advogada. 

Outro ponto positivo da modernização no processo de falência é que ela deve movimentar e estimular o desenvolvimento econômico do país. 

Comunicação Andersen Ballão Advocacia

Matérias Relacionadas

Setor florestal move economia da Região Sul com foco na sustentabilidade

Setor florestal move economia da Região Sul com foco na…

ABA traz segurança jurídica a decisões de empresas e entidades que atuam no setor florestal   Com grande dinamismo no Sul do Brasil, o setor…

Leia mais
Relações portuárias ganham eficiência e agilidade com atuação conjunta entre ABA, OGMO e operadores portuários

Relações portuárias ganham eficiência e agilidade com atuação conjunta entre…

Mais de 300 acordos foram realizados em 2020, com a redução do passivo em valor superior a R$ 6 milhões de reais   A atuação…

Leia mais
Imposto de Renda Pessoa Física 2021: saiba como doar aos Fundos da Infância e Adolescência e do Idoso  diretamente na declaração

Imposto de Renda Pessoa Física 2021: saiba como doar aos…

Apesar de simples, poucas pessoas conhecem esse mecanismo que facilita a destinação de recursos a quem mais precisa   Neste momento mais desafiador da pandemia,…

Leia mais