Artigos e Publicações

Novos caminhos para o setor cultural

Novos caminhos para o setor cultural

Publicado em 2 de setembro de 2020

Lei desobriga o reembolso de eventos, serviços ou reservas dos setores de cultura e turismo caso haja remarcação

Para regular as relações com o consumidor de bens culturais durante a pandemia da covid-19, o presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei 14.046, de 2020, que trata do adiamento ou cancelamento de eventos, serviços ou reservas nos setores de cultura e turismo. 

No caso de eventos (shows e espetáculos), serviços ou reservas que tenham sido adiados ou cancelados, a instituição responsável fica desobrigada a reembolsar o consumidor. Porém, isso só poderá ser realizado desde que ela assegure a remarcação do evento, ou disponibilize um crédito para uso ou abatimento na compra futura para outros serviços. 

Para Marcella Souza, coordenadora do Departamento de Assuntos Culturais e Terceiro Setor da ABA, os segmentos cultural e de turismo foram os mais afetados nesta crise. “O impacto da pandemia é enorme para esses setores, que lutam todos os dias para se manterem ativos. A Lei é uma forma de incentivar os consumidores a procurar as atrações culturais ou os serviços de turismo, de forma que ambos saiam ganhando. As pessoas não podem desistir da arte e do lazer, especialmente agora que perceberam o quanto as manifestações culturais fazem a diferença em momentos difíceis como o que estamos vivendo. A quarentena nos fez consumidores muito mais assíduos de música, filmes, livros, e de um olhar sensível para a realidade, que é o que de fato sempre motivou os artistas e agentes da cultura”, explica.

As negociações, de acordo com a nova lei, devem ocorrer sem qualquer custo adicional ao consumidor, em qualquer data a partir de 1º de janeiro de 2020, tendo o consumidor até 120 dias para tomar sua decisão a partir da comunicação do adiamento ou cancelamento dos serviços. O mesmo se dará caso falte 30 dias ou menos para o evento adiado ou cancelado, “o que ocorrer primeiro”. O consumidor poderá usar o crédito a que tem direito em até 12 meses, a partir do encerramento do estado de calamidade pública, previsto para durar até 31 de dezembro de 2020. 

Devem ser respeitados os valores e as condições dos serviços originalmente contratados, e o prazo de 18 meses, após o estado de calamidade pública, para a realização do evento ou do serviço adiado.

Novas diretrizes para direitos autorais

A Medida Provisória 948/2020 contou com uma proposta de emenda que se tornou alvo de intensa polêmica nos últimos meses. Proposta pelo deputado federal Felipe Carreras, a emenda à MP visava alterar a Lei nº 9.610, que regula a cobrança de direitos autorais no país, e pode impactar diretamente na renda de intérpretes, compositores e outros profissionais da indústria musical.

Segundo a proposta, seria vedada a cobrança “de pessoa física ou jurídica que não seja o intérprete em eventos públicos ou privados”, de forma a isentar promotores e produtores do pagamento de direitos autorais. Atualmente, os produtores de eventos arcam com o valor dos direitos autorais – eles transferem um percentual em média de 10% da bilheteria para o Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição), que, por sua vez, repassa esses valores aos compositores das músicas. 

A emenda ainda estabelece que o valor a ser cobrado para o pagamento seja de 5% sobre o cachê do artista para o evento, e proíbe que a cobrança seja calculada com base na bilheteria do evento, da forma como é feita hoje. A mudança na base de cálculo pode levar a uma diminuição no valor repassado a compositores, posição sustentada pelo Ecad.

A advogada ressalta que o assunto exige um debate consistente para que a tomada de decisão seja minimamente equilibrada, já que não é de hoje que a temática dos direitos autorais é polêmica no país. “É preciso ter cautela para mediar esse tipo de situação, que muito antes da pandemia já rendia discussões acaloradas envolvendo produtores, o Ecad, intérpretes e compositores. É um assunto realmente sensível, é certo que precisamos de medidas diversificadas para retomada das atividades do setor de eventos culturais, mas não se pode simplesmente reter integralmente o recebimento de compositores”, reforça.

Matérias Relacionadas

A COVID-19 é doença ocupacional ou não? Como renegociar contratos empresariais na pandemia? Descubra nos webinars da ABA de outubro

A COVID-19 é doença ocupacional ou não? Como renegociar contratos…

Advogados trazem temas que preocupam empresas em todo o país e que tendem a gerar consequências de longo prazo   Após o sucesso da primeira…

Leia mais
Com adesão ao programa de empoderamento feminino da ONU (WEPs), ABA fomenta igualdade de gênero

Com adesão ao programa de empoderamento feminino da ONU (WEPs),…

Andersen Ballão é o primeiro escritório de advocacia signatário em Curitiba   A Andersen Ballão Advocacia formalizou sua adesão ao programa da ONU sobre princípios…

Leia mais
Setor automotivo conta com expertise e sinergia de todos os departamentos da ABA

Setor automotivo conta com expertise e sinergia de todos os…

Necessidades jurídicas de fabricantes de componentes automotivos incluem áreas trabalhista, tributária, regulatória, contratual, corporativa e litigiosa cível   O setor automotivo representa cerca de 5%…

Leia mais