Artigos e Publicações

O caráter interdisciplinar das licitações

O caráter interdisciplinar das licitações

Publicado em 07/01/2020

O conhecimento de aspectos técnicos e jurídicos e análise de áreas variadas do Direito são fundamentais

Sabe-se que a licitação é um procedimento administrativo utilizado pela Administração Pública para selecionar a proposta mais favorável para a contratação de um produto, obra ou serviço de sua necessidade. Para tanto, porém, a Constituição e a legislação infraconstitucional determinam que o Poder Público e as empresas privadas se submetam a preceitos que visam a uma competição isonômica entre os licitantes.

Para que as empresas participantes de uma licitação atendam a tais rigores, é fundamental um suporte jurídico interdisciplinar. Quem traz esclarecimentos sobre essa necessidade é o advogado do Departamento Ambiental e Regulatório da Andersen Ballão Advocacia, Gustavo Henrique de Jesus Luize.

Especialista em Direito Administrativo, Gustavo acentua que o processo licitatório exige uma análise aguçada das mais variadas áreas do Direito, e que somente uma visão interdisciplinar é capaz de garantir o melhor suporte jurídico a uma empresa licitante. Ele explica que, nas etapas do processo licitatório, não raro se observa a aplicação de várias áreas do Direito como, por exemplo: o Direito Tributário – para adotar a estratégia tributária adequada para execução do contrato administrativo – o Direito Empresarial – para a análise aprofundada dos contratos e dos documentos constitutivos da licitante, e especialmente o Direito Administrativo – para identificação da validade do certame e para a elaboração dos recursos e impugnações.

Gustavo ainda ressalta que, independentemente da modalidade de licitação adotada, a competição acaba por tomar rumos de ordem técnica de acordo com o objeto licitado. Disso advém uma outra característica interdisciplinar: a junção de elementos técnicos com os fundamentos jurídicos adequados.

“Na licitação é fundamental que, além de se observar o trâmite legal do processo licitatório, seja observado o conjunto normativo que se aplica ao objeto licitado, na medida em que a aceitabilidade da proposta dependerá do atendimento desses dois elementos”, enfatiza o advogado.

O julgamento objetivo

O contexto colocado acima se torna ainda mais claro quando da aplicação do Princípio do Julgamento Objetivo no processo licitatório. “Esse princípio garante que o julgamento das propostas seja feito de acordo com os critérios previstos em edital, de maneira a possibilitar sua aferição pelos licitantes e pelos órgãos de controle”, explica Gustavo Henrique.

O advogado ainda esclarece que o julgamento objetivo faz com que não só o licitante possa emitir um juízo de valor sobre as demais propostas e sobre o julgamento da comissão de licitação, como também que a sua proposta seja avaliada pelos demais licitantes. “Desse modo, o licitante deve ficar atento para que a sua proposta – e de seus concorrentes – esteja de acordo com as exigências técnicas formuladas pelo edital, bem como em observância às normas legais aplicáveis ao objeto licitado”.

Gustavo enfatiza que, não raro, a manutenção ou desclassificação do licitante vencedor dependerá do atendimento das exigências técnicas do edital, o que apenas restará demonstrado por meio de um procedimento administrativo.

Assim, é indispensável que as empresas que participam ou desejam participar de licitações recebam assessoria jurídica ampla e integrada, que abranja os diversos segmentos do Direito e que considere as especificidades do setor econômico e do processo produtivo da empresa.

Matérias Relacionadas

Observatório da Cultura Paranaense promove união de entidades inédita no estado

Observatório da Cultura Paranaense promove união de entidades inédita no…

Com assessoria jurídica da Andersen Ballão Advocacia, entidade apoia projetos culturais, científicos, históricos, literários, artísticos, gastronômicos, entre outros   Sediado oficialmente no prédio histórico do…

Leia mais
Clareza do contrato social é importante em favor da continuidade da empresa após a morte de sócios

Clareza do contrato social é importante em favor da continuidade…

DREI admite a transferência de quotas sem alvará judicial ou escritura pública de partilha   Uma decisão recente do Departamento Nacional de Registro Empresarial e…

Leia mais
Convênio da ABA com o Programa FAE LAW Experience capacita estudantes para a prática do direito

Convênio da ABA com o Programa FAE LAW Experience capacita…

O desenvolvimento das habilidades pessoais e profissionais necessárias no mercado jurídico é o foco da parceria   A prática do direito requer, por natureza, atualização…

Leia mais