Artigos e Publicações

Origem da integralização do capital social deve ser comprovada

Origem da integralização do capital social deve ser comprovada

Publicado em 7 de janeiro de 2020

Junta Comercial do Paraná demonstra maior rigor

Recentemente, as Juntas Comerciais no Brasil receberam do Governo Federal uma recomendação importante a respeito de procedimentos destinados a comprovar a integralização de quotas do capital social de empresas, inclusive em casos de seu aumento. A perspectiva é de que, a partir de agora, haja maior exigência de comprovação especialmente quanto à identificação da origem dos valores envolvidos. Na prática, será necessária prova documental da transferência ou do depósito de recursos para a empresa. As organizações paranaenses devem ficar atentas, pois a JUCEPAR (Junta Comercial do Paraná) vem demonstrando já ter aderido à referida recomendação.

A advogada Amanda Luísa Bogus, do Departamento Societário da Andersen Ballão Advocacia, explica que a nova exigência tem por objetivo, em especial, a apuração de crimes de lavagem de dinheiro ou ocultação de bens. A especialista detalha: “A exigência de tais comprovantes refere-se a valores acima de R$ 500 mil. Após o recebimento dos comprovantes solicitados, as Juntas enviarão os documentos ao COAF (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) e, caso este decida, a origem do dinheiro será investigada.”

Ainda de acordo com a Dra. Amanda, a exigência da JUCEPAR estaria baseada nos artigos 10 e 11 da Lei nº 9.613, de 1998. Eles versam sobre o dever das Juntas Comerciais de comunicar ao COAF em casos de suspeita da prática de algum dos crimes mencionados na mesma lei. Para uniformizar os procedimentos adotados para o cumprimento de tais artigos, o COAF expediu a Instrução Normativa DREI nº 24 (de 04 de junho de 2014). “Ocorre que, no art. 3º, parágrafo 4º, desta Instrução Normativa, o próprio COAF determina que as Juntas Comerciais não poderão obstar o arquivamento de uma alteração contratual que possa conter indícios dos crimes previstos na Lei nº 9.613”, acentua a advogada da ABA.

Diante disso, as Juntas Comerciais não poderão impedir o arquivamento de um ato societário caso seja exigido o comprovante de transferência/depósito demonstrando a origem do aporte referente à integralização de quotas do capital social. Estes compro-vantes podem ser recibos das transações citadas ou cheques com compensação em prol da empresa.

Matérias Relacionadas

Comemorações dos 160 anos de Andersen destacam legado valioso do pai da pintura paranaense

Comemorações dos 160 anos de Andersen destacam legado valioso do…

Museu Casa Alfredo Andersen promoveu semana de eventos virtuais que celebraram e educaram a respeito das artes   No mês em que Alfredo Andersen completaria…

Leia mais
Processo migratório laboral para o Brasil e LGPD na saúde suplementar foram debatidos pelos times da ABA em novembro

Processo migratório laboral para o Brasil e LGPD na saúde…

Oportunidade de disseminar informações no mundo virtual tem sido amplamente utilizada pelo escritório ao longo do ano   Motivada por dúvidas frequentes de seus clientes…

Leia mais
Comprovação de dispêndios do programa Rota 2030 é postergada

Comprovação de dispêndios do programa Rota 2030 é postergada

Saiba a importância da adequação dos dados para garantir esse benefício fiscal destinado ao setor automotivo   Um dos programas de incentivo fiscal mais úteis…

Leia mais