Artigos e Publicações

Relações portuárias ganham eficiência e agilidade com atuação conjunta entre ABA, OGMO e operadores portuários

Relações portuárias ganham eficiência e agilidade com atuação conjunta entre ABA, OGMO e operadores portuários

Publicado em 01/04/2021

Mais de 300 acordos foram realizados em 2020, com a redução do passivo em valor superior a R$ 6 milhões de reais

 

A atuação conjunta entre a Andersen Ballão Advocacia (ABA) e o Órgão de Gestão de Mão de Obra do Trabalhador Portuário e Avulso do Porto Organizado de Paranaguá (OGMO/Paranaguá) nas relações trabalhistas portuárias tem colaborado para a mitigação do passivo trabalhista por meio de soluções conciliatórias.

Desde 2011, a ABA presta assessoria em Direito Coletivo do Trabalho ao SINDOP/PR e, em 2016, o Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP) entrou para a carteira de clientes do escritório. Ainda, a partir de 2017, o escritório passou a atender o OGMO/Paranaguá e todos os demais clientes da área portuária a partir da sua sede situada nessa cidade portuária paranaense.

“Houve diferentes oportunidades de atuação que implicaram a diminuição do passivo trabalhista e negociações coletivas que aperfeiçoaram as relações sindicais a partir de 2011”, conta o sócio-coordenador do Departamento Trabalhista da ABA, Enrico Nichetti.

Desde 2008, o OGMO/Paranaguá também vem dedicando grandes esforços para a mitigação do passivo trabalhista nas relações portuárias. Especialmente nos últimos três anos, houve redução expressiva desse indicador. Em 2020, foram realizados mais de 300 acordos, com a redução do passivo em valor superior a R$6 milhões de reais.

A advogada do Departamento Trabalhista da ABA Adrielli Cordeiro, que atua na cidade de Paranaguá, salienta ainda a possibilidade de acordos realizados de forma remota desde o início da pandemia da covid-19. “Nesse contexto, o trabalho conjunto entre as entidades portuárias e a ABA tem trazido ótimos resultados”, destaca.

Entenda o histórico

A partir da criação dos órgãos de gestão de mão de obra portuária no Brasil pela Lei 8.630/1993, com atualizações legislativas implementadas pelas Leis 9.719/98, 12.815/2013 e 14.047/21, a eles incumbe gerenciar o trabalho avulso requisitado pelos operadores portuários. Desde então, buscou-se organizar o trabalho portuário avulso, com destaque para as constantes melhorias nas regras e sistemas de requisição, habilitação e escalação da mão de obra em todos os portos brasileiros.

Matérias Relacionadas

Empresas devem atentar às novas regras do benefício de alimentação para trabalhadores

Empresas devem atentar às novas regras do benefício de alimentação…

Medida Provisória modifica alguns requisitos do PAT, que segue como ótima opção para gerenciar auxílio   Muitas vezes, o trabalhador opta por uma vaga de…

Leia mais
Pessoas com deficiência e aprendizes estão no centro de debate dos tribunais do trabalho

Pessoas com deficiência e aprendizes estão no centro de debate…

Entenda se as empresas podem negociar essas cotas com base nas recentes decisões judiciais   O Brasil tem leis avançadas em relação à proteção dos…

Leia mais
Empresas podem processar ex-funcionários por dano moral

Empresas podem processar ex-funcionários por dano moral

Ações relacionadas à difamação nas redes sociais devem ser levadas perante a Justiça do Trabalho   Num mundo de relações virtuais, o meio corporativo carece…

Leia mais