Artigos e Publicações

Terceirização de atividade-fim. Seria possível?

Terceirização de atividade-fim. Seria possível?

Publicado em 07/01/2020

STF adia novamente decisão sobre contratação de trabalhadores terceirizados para todo o tipo de função

Neste mês foi novamente adiado um importante julgamento do Supremo Tribunal Federal sobre a possibilidade ou não de terceirização de atividade-fim por parte das empresas brasileiras. Trata-se de uma ação que tramita desde 2001 movida contra a companhia Cenibra e que, por ter repercussão geral (ou seja, a sentença valeria para todas as demais empresas locais), tem gerado apreensão no empresariado e nas entidades de classe. O julgamento estava previsto para o dia 9 de novembro e ainda está em aberto o seu reagendamento. Sobre este polêmico tema e os desdobramentos desta ação aborda abaixo o advogado trabalhista da ABA, Rafael Fazzi.

Fazzi explica que, atualmente, não existe legislação nacional prevendo ou vetando a possibilidade de terceirização da atividade-fim das empresas. “O que existe hoje é uma súmula do TST (331) que prevê a possibilidade de terceirização tão apenas da atividade-meio, sendo considerada ilícita quando a atividade desenvolvida é ligada a atividade-fim da empresa. Contudo, referida súmula está em pauta no STF, a fim de que se discuta quanto a legalidade ou não da terceirização de atividade-fim das empresas”, esclarece.

O advogado ainda pontua que, em contrapartida, também existe um projeto de lei sobre o tema que foi aprovado pela Câmara dos Deputados em abril de 2015 e que aguarda a apreciação do Senado. “O Projeto de Lei 4.330/04 visa regulamentar a matéria mediante permissão de contratação de prestador de serviços para realizar as atividades-fim da empresa, além de estabelecer normas e critérios para esta terceirização”.

Um dos pontos de maior polêmica no Projeto acima citado é justamente esta possibilidade de terceirização de qualquer atividade empresarial, inclusive a atividade principal da empresa. Contudo, Rafael ressalta: “o texto também prevê a responsabilidade subsidiária ou solidária das contratantes em relação aos direitos trabalhistas e previdenciários dos trabalhadores terceirizados, conforme fiscalização a ser desenvolvida pela contratada, e as empresas devem ficar atentas a esta questão”.

De acordo com o especialista da ABA, a expectativa é de que o STF se pronuncie ainda este ano quanto à validade ou não da súmula do TST, o que determinará, ao menos enquanto não aprovado o projeto de lei específico, se o exercício da atividade-fim é uma prática ilícita. “Como consequência, isso geraria o reconhecimento do vínculo empregatício com o tomador de serviços, ou se é plenamente possível tal prática, sem haver o reconhecimento supra, quando não estiverem presentes necessariamente todos os requisitos elencados no artigo 3º da CLT”, afirma Rafael.

Matérias Relacionadas

Métodos alternativos de resolução de conflito estão no DNA da Andersen Ballão Advocacia

Métodos alternativos de resolução de conflito estão no DNA da…

Negociação, conciliação, mediação e arbitragem são especialidades da banca e prática dos advogados da casa   O Brasil é o quarto país em número de…

Leia mais
Desoneração da folha de pagamento é prorrogada para 17 setores até 2023

Desoneração da folha de pagamento é prorrogada para 17 setores…

Continuidade do benefício, que venceria agora em dezembro, deve receber a sanção presidencial   O fim de ano trouxe um alívio para empresários de 17…

Leia mais
Empresas nacionais e com sede no exterior devem estar atentas à indicação do Beneficiário Final

Empresas nacionais e com sede no exterior devem estar atentas…

Instrução Normativa da Receita Federal indica a necessidade do registro em prazo de 90 a 180 dias da inscrição no CNPJ   É longo o…

Leia mais