Artigos e Publicações

Controvérsias do ICMS para vendas não presenciais

Controvérsias do ICMS para vendas não presenciais

Publicado em 07/01/2020

Empresas afetadas questionam a legitimidade do novo formato de cobrança do imposto para essas operações

Durante o ano de 2015, a sistemática de tributação do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) passou por diversas alterações normativas significativas, que entraram em vigor em janeiro deste ano. Entre as principais mudanças se encontra a imposta pela Emenda Constitucional nº 87/2015, que altera o cálculo da tributação para operações interestaduais não presenciais – as quais englobam vendas realizadas por meio do comércio eletrônico. Tal modificação tem rendido questionamentos diversos sobre sua legitimidade.

Antes da Emenda Constitucional nº 87/2015, o imposto recolhido em operações interestaduais destinadas a consumidor final não contribuinte ficava apenas com o Estado de origem do remetente. Com a nova sistemática, o valor passou a ser repartido com o Estado de destino da venda – à semelhança do que ocorre nas operações interestaduais destinadas ao consumidor final contribuinte.

Barbara das Neves, advogada integrante do Departamento Tributário da Andersen Ballão Advocacia, explica como se dará o novo cálculo: “deverá ser recolhido o ICMS com base na alíquota interestadual cabível ao Estado de origem (4%, 7% ou 12%). Ao Estado de destino deverá ser recolhido o valor correspondente ao diferencial de alíquotas. O recolhimento da diferença será gradualmente dividido entre os Estados até 2019, quando o Estado de destino ficará com a diferença integral”.

Tais alterações resultaram no aumento da carga tributária (quando a alíquota do produto no Estado de destino é superior à do Estado de origem) e em mudanças significativas nas obrigações acessórias – que afetariam, principalmente, os micro e pequenos empreendedores.

A advogada da ABA esclarece que essas empresas, enquadradas no SIMPLES NACIONAL, atualmente estão sendo protegidas por liminar deferida pelo Poder Judiciário. A liminar suspende os efeitos da cláusula 9ª do Convênio do CONFAZ, o que as permite não recolher a diferença das alíquotas até o fim do julgamento da ação, ajuizada pela OAB por meio da Ação Direta de Inconstitucionalidade nº 5464.

Em prol das demais empresas de comércio eletrônico, outra iniciativa está em andamento e também questiona a legitimidade da nova previsão. A ABComm – Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, por meio da ADI nº 5469, alega que o convênio ICMS não é o meio adequado para dispor sobre o imposto, pois a regulamentação da matéria deve ser tratada por meio de Lei Complementar. Mais um tema cuja solução competirá ao Judiciário.

Matérias Relacionadas

Ombudsman da ABA quer dar ainda mais agilidade ao trabalho…

A ideia da atuação do ombudsman é fazer a ponte entre o advogado e o cliente quando necessário Objetivando um atendimento ainda mais personalizado e…

Leia mais

O que muda com a nova Lei sobre tributação de…

Advogado tributarista destaca que é essencial manter toda a documentação suporte, como  extratos bancários e balanços das empresas no exterior, para eventual apresentação à Receita…

Leia mais

A responsabilidade do empregador sobre atos do empregado

Apesar de ocorrer a responsabilização do empregador por ato do empregado, é possível que o empregador busque o ressarcimento por eventuais prejuízos causados pelo empregado…

Leia mais