Artigos e Publicações

Lei de Recuperação Judicial completa dez anos

Lei de Recuperação Judicial completa dez anos

Publicado em 07/01/2020

Advogado da ABA analisa efeitos da legislação durante esse período

A Lei de Falências e Recuperação Judicial (LFRJ – 11.101/2005) completou dez anos de existência este ano. A legislação foi elaborada no intuito de reerguer empresas em dificuldade econômico-financeira elevando a recuperação de crédito. Segundo dados do INRE (Instituto Nacional de Recuperação Empresarial), desde a vigência da lei, já foram apresentadas cerca de 6,9 mil solicitações de recuperação e 3,8 mil pedidos de falência. Nos últimos três anos, em especial, as recuperações judiciais têm ganhado ainda mais destaque diante do atual contexto econômico pelo qual o Brasil tem passado. Acompanhe, abaixo, a análise que o advogado Rene Toedter faz sobre alguns efeitos da lei durante esse período.

Rene é especialista em Direito Processual Civil e mestre em Direito do Estado e atua no Departamento Contencioso da Andersen Ballão Advocacia desde 2003. Ao abordar as principais vantagens da criação da LFRJ, o advogado ressalta a possibilidade que a lei trouxe de que a empresa venda ativos, filiais ou unidades sem transferências de ônus trabalhistas e tributários. “Neste caso, o bem alienado não se contamina pelos problemas da má-gestão passada. Essa blindagem que a lei possibilita já foi bastante analisada e criticada, mas tem sido muito utilizada como alternativa para pagamento de credores ultimamente”, explica.

Sobre a necessidade ou não de atualização da lei após esses dez anos, Rene defende a busca por meios que garantam maior celeridade na recuperação judicial. “Hoje, o deferimento do pedido de recuperação é suficiente para suspender a tramitação dos processos de cobrança movidos contra a empresa recuperanda por 180 dias – como se todo o processo de recuperação fosse se encerrar neste tempo. Na prática, sabemos que não é isso o que ocorre”.

O advogado da ABA observa também que, nos últimos anos, o Judiciário tem analisado com mais cautela os pedidos de recuperação antes de deferi-los, na tentativa de coibir manobras das empresas devedoras (retirada de sócios e administradores para protegê-los, transferência de patrimônio entre empresas do grupo etc.). “Os juízes, inclusive, já não estão mais homologando automaticamente as decisões das assembleias de credores. Alguns chegam a buscar assessoria técnica especializada para verificarem se a reestruturação de uma empresa é ou não factível antes do processamento do pedido. Vejo essa ação como um passo extremamente importante para o aprimoramento da eficácia da lei”.

Matérias Relacionadas

Ombudsman da ABA quer dar ainda mais agilidade ao trabalho…

A ideia da atuação do ombudsman é fazer a ponte entre o advogado e o cliente quando necessário Objetivando um atendimento ainda mais personalizado e…

Leia mais

O que muda com a nova Lei sobre tributação de…

Advogado tributarista destaca que é essencial manter toda a documentação suporte, como  extratos bancários e balanços das empresas no exterior, para eventual apresentação à Receita…

Leia mais

A responsabilidade do empregador sobre atos do empregado

Apesar de ocorrer a responsabilização do empregador por ato do empregado, é possível que o empregador busque o ressarcimento por eventuais prejuízos causados pelo empregado…

Leia mais