Artigos e Publicações

O que fazer quando o bem móvel alugado não é devolvido e/ou pago

O que fazer quando o bem móvel alugado não é devolvido e/ou pago

Publicado em 02/09/2022

Quando uma empresa loca bens móveis a um cliente, como equipamentos, por exemplo, e sofre com o não pagamento do aluguel e/ou a não devolução dos bens após a rescisão do contrato, questiona-se quais direitos o locador possui em face do locatário. Recentemente, a 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça enfrentou o tema no julgamento do Recurso Especial nº 1.975.930/PE e o resultado deve orientar a questão em todo o território nacional.

“A decisão, apesar de proferida em uma situação concreta com aplicação direta às partes envolvidas, orientará as decisões dos tribunais em todo o território nacional em casos sobre o mesmo tema, uma vez que esta Corte Superior visa uniformizar a interpretação de lei federal no país”, explica a advogada Camilla Oshima, do Departamento de Contencioso e Arbitragem da Andersen Ballão Advocacia.

Ela elenca o que prescreve a legislação sobre o assunto: o art. 569, inciso IV, do Código Civil, dispõe, entre as obrigações que circundam os contratos de locação de bens móveis, a de restituir a coisa no estado em que a recebeu, salvo as deteriorações naturais ao uso regular. “Quando, no entanto, após a rescisão do contrato, o locatário permanecer de posse dos equipamentos sem qualquer contraprestação e/ou não efetuar o pagamento dos alugueres devidos até a rescisão, é ônus da locadora notificar o locatário para exigir-lhe a restituição dos bens e quando for o caso, o pagamento dos valores a título de locação (devidos até a rescisão e/ou referentes ao período em que os bens permanecerem em posse do locatário)”, acrescenta a advogada.

Orientações para quem vai alugar

As empresas que alugam bens e equipamentos podem promover medidas prévias para mitigar prejuízos em caso de inadimplemento do locatário. “É cabível, por exemplo, estabelecer uma garantia em contrato, tal como a fiança, a caução e o seguro fiança locatícia, além de multa por descumprimento”, sugere a advogada.

Após a notificação, se o locatário não cumprir a obrigação, deverá efetuar o pagamento dos alugueres no período em que permanecer de posse dos equipamentos, ainda que rescindido o contrato. “A inércia do locatário em relação à prévia notificação possibilita à locadora o ajuizamento de ação judicial para exigir (i) a devolução dos bens em posse do locatário e (ii) o pagamento dos alugueres pelo seu uso até a efetiva entrega, em valor a ser arbitrado pela locadora, nos termos do art. 575 do Código Civil. É costumeiro, neste caso, ser cobrado o valor de locação já previsto em contrato, o que evita, inclusive, eventuais discussões acerca de enriquecimento ilícito da locadora em face do locatário.”

Vale dizer, ainda, que se os bens forem danificados ou não restituídos, é conferido à locadora o direito de exigir o pagamento de indenização equivalente ao prejuízo suportado, uma vez que o locatário se torna responsável pela guarda e conservação dos bens. “Eventuais prejuízos dessa natureza poderão ser objeto de discussão em ação judicial”, alerta a profissional.

Por conseguinte, ainda que finalizado o contrato, a ação judicial constitui medida legítima para exigir do locatário a retribuição equivalente ao uso indevido dos bens. A manutenção dos equipamentos em posse do locatário sem o pagamento dos alugueres representa enriquecimento sem causa e violação da boa-fé objetiva assentados nos artigos 884 e 422 do Código Civil, uma vez que a locadora não poderá ser privada da utilização dos equipamentos locados sem qualquer contraprestação. Em síntese: o locatário deve efetuar o pagamento da locação até a efetiva devolução dos bens.

Matérias Relacionadas

Unidos pelo Rio Grande do Sul: ABA arrecada doações para…

Solidariedade mobiliza sociedade civil e instituições privadas Empatia, solidariedade e ação têm levado milhares de pessoas a contribuir com suprimentos para as vítimas da tragédia…

Leia mais

Andersen Ballão Advocacia fortalece laços com o mercado italiano através…

A equipe especializada investe no fortalecimento das relações Brasil-Itália, visando oportunidades de negócios mútuos, e inaugura os serviços de reconhecimento judicial de cidadania italiana. A…

Leia mais

Atuação do Setor Financeiro garante satisfação do cliente

Não apenas nossa equipe jurídica, mas também nosso setor financeiro colabora para uma prestação de serviços de excelência A sinergia entre o setor financeiro e…

Leia mais