Artigos e Publicações

Recomendações para 2021 incluem colaboração, sustentabilidade e cautela

Recomendações para 2021 incluem colaboração, sustentabilidade e cautela

Publicado em 27/01/2021

Novas redações de contrato, perspectiva de aumento no quadro de empregados e retomada gradual são algumas das tendências

Com o retorno gradual das atividades presenciais e a esperada recuperação da economia mundial, a tomada de decisões para o ano de 2021 requer entendimento profundo da nova realidade e experiência para traçar perspectivas realistas.

Como escritório, a Andersen Ballão Advocacia permanece em seu papel de parceiro e consultor jurídico no planejamento das diversas esferas de trabalho de nossos clientes. Um exemplo é o campo tributário, área que exige conhecimento detalhado e atualizado da legislação, e em que houve julgamentos importantes ao longo de 2020. Conforme balanço do Departamento Tributário da ABA, até setembro de 2020, a Fazenda Nacional venceu 31 dos 37 julgamentos tributários no STF. O resultado foi em parte influenciado pelo modelo das sessões online.

No ramo trabalhista, espera-se uma alta nas contratações de empregados no ano. De acordo com pesquisa da consultoria Deloitte, 44% das empresas brasileiras pretendem aumentar o quadro de colaboradores em 2021 e apenas 9% têm intenções de demitir. Ainda segundo o estudo Agenda 2021, 60% dos empresários acreditam que a atividade econômica do Brasil vai ficar igual ou superior ao que era antes da pandemia da covid-19.

“Tudo isso significa alta nas demandas jurídicas, e estamos preparados para o novo quadro”, conta o gerente jurídico da ABA, Gil Justen Santana. “Nossa equipe conseguiu adaptar-se rapidamente às exigências de 2020, e agora as perspectivas são positivas com a previsão de chegada das vacinas.”

Com o surgimento de novidades em todas as áreas, cada empresa tem se adaptado de acordo com seu campo de atuação. “As práticas de negociação e os próprios valores estão em transição, assim como a rotina interna das empresas, e vários questionamentos jurídicos surgem nesse momento.”

Para o gerente da ABA, o mais provável é não voltarmos ao cenário anterior à pandemia, e sim entrarmos em um terceiro momento, com a pandemia sob controle, em uma nova economia, muito mais digitalizada, mas também mais apta a promover colaborações e parcerias.

Outras necessidades da atualidade incluem revisões de contrato, algo que tem ocorrido desde o início da pandemia, e previsões mais realistas em contratos novos, que preveem os reflexos da nova economia e instabilidades futuras.

Nas questões regulatórias, as perspectivas de novos investimentos sustentáveis são fortes, até mesmo pelo alinhamento do novo governo norte-americano com as questões ambientais.

“Todas as novas tendências trazem impactos aos contratos que estão sendo firmados”, lembra Justen. Sobretudo, recomenda-se cautela e estudo aprofundado antes da celebração de novos negócios, especialmente em razão do novo cenário. 

Desejamos um ano excelente, de muitas realizações, mas também reflexões transformadoras a todos!

Matérias Relacionadas

Tire suas dúvidas sobre o mercado de carbono no Brasil

O uso estratégico do mercado de carbono desponta como uma peça fundamental para o Brasil. Com todo o seu patrimônio ambiental e imensidão territorial, o…

Leia mais

STJ admite creditamento do ICMS sobre materiais intermediários que não…

No último dia 11 de outubro de 2023, a 1ª Seção do STJ (Superior Tribunal de Justiça), ao analisar o EAREsp n.º 1.775.781/SP, reconheceu, por…

Leia mais

Sabia mais sobre os novos sócios coordenadores do Departamento Tributário…

Em março, os advogados Ariel Palmeira, Barbara das Neves e Mariana Apgáua foram promovidos a sócios coordenadores do Departamento Tributário da ABA. Eles já estão…

Leia mais