Artigos e Publicações

A arbitragem nas operações societárias

Publicado em 11 de abril de 2013


No mundo atual, o cenário de movimentações societárias é um dos principais meios de mensuração das atividades econômicas. Esta sincronia de movimentos próprios das sociedades empresariais, porém, depende de engrenagens devidamente calibradas e programadas e, neste processo, surgem diversos conflitos de interesses. Muitos desses impasses são complexos e podem não ser solucionáveis por uma via amigável, restando os meios jurídicos. Nesse contexto, a arbitragem atua como um método alternativo e eficaz de resolução de conflitos nas operações societárias.

O Brasil vive um momento de “ativismo judicial”. Um fenômeno que advém basicamente da apatia do legislativo – que não se pronuncia sobre fatos novos, passando ao judiciário a tarefa de atualizar o direito. Quando é dado ao juiz o poder para se pronunciar sobre fatos que lhe são trazidos de forma desvinculada de um texto legislativo elaborado, cria-se um caos decisório. No contexto aqui exposto, faz com que se aumente o risco de fusões e aquisições significativamente, impactando de forma negativa na sociedade e, em especial, na economia.

Para amenizar essa situação, optou-se, na maioria das operações societárias, por retirar tal poder do Estado-juiz e passá-lo à instituição que fornecesse aos protagonistas das fusões e aquisições maior segurança e previsibilidade na concretização de seus direitos e deveres. Ou seja, passou-se tal poder para a arbitragem. Desde então, a expansão da arbitragem como método alternativo de resolução de conflitos cresce quase que exponencialmente. O método conta com um expressivo leque de vantagens para as operações societárias. Dentre elas, podem-se elencar o seu sigilo, a sua celeridade e sua especialidade.

O sigilo garante, em muitos casos, a eficácia da operação societária em sua totalidade. Trazer as discussões referentes a tal movimentação empresarial para o público poderia trazer consigo danos à negociação. Optando-se pela arbitragem, conflitos que surgirem serão tratados em regime de confidencialidade, o que preserva a imagem e situação dos envolvidos.

A celeridade é outra vantagem importante da arbitragem. Sabe-se que a morosidade do judiciário é danosa a qualquer ato empresarial. Numa fusão ou aquisição, colocar em disputa por anos valores significativos pode significar a condenação de uma empresa à falência. Optando-se pela arbitragem, a decisão será proferida no tempo estabelecido pelas partes, geralmente de seis meses a um ano, dependendo da complexidade do tema, dificilmente chegando a três anos.

Numa arbitragem, há também a possibilidade de as partes escolherem os seus julgadores. Isso permite que tais pessoas sejam as mais bem preparadas para julgar o tema. Como consequência, a decisão arbitral acaba sendo muito mais completa e assertiva. A arbitragem, de certa forma, acaba se tornando um instrumento de justiça mais efetivo do que o próprio judiciário.

Enquanto o Estado não entra em equilíbrio, fornecendo ao judiciário melhores instrumentos para que seja mais efetivo e preciso, o risco dos conflitos societários se torna alto. Sendo a economia um fenômeno em constante mudança, a única alternativa que possibilita a diminuição do risco e a segurança jurídica das operações societárias é a arbitragem. Trata-se de um instituto consagrado no direito brasileiro e atual instrumento de eficácia e realização de direitos e deveres no âmbito empresarial.

William Eduard Weiss é bacharelando em Direito pela UniCuritiba, cursando atualmente o 10º período. Integra a equipe do escritório Andersen Ballão desde maio de 2012. Foi membro da equipe Unicuritiba na competição de arbitragem comercial internacional do 19º Willem C. Vis Moot.

Artigos Relacionados

Empresariado brasileiro aguarda novas medidas de desburocratização

Tanto a Medida Provisória 1.040/2021 quanto a Lei de LiberdadeEconômica (lei n. 13.847/2019) representam nítido avanço na modernização do âmbito empresarial brasileiro, assim como no…

Leia mais

Empresas terão de insistir em decisão do STF…

Em 2015, o Supremo Tribunal Federal (STF), no julgamento das ADIs 4357, 4372, 4400 e 4425, declarou a inconstitucionalidade da expressão “índice oficial da remuneração…

Leia mais

Protocolos de acesso ao ambiente de trabalho e…

Camila Camargo e Marco Zorzi*   No cenário atual de pandemia, no momento de retomar as atividades presenciais, as empresas são recomendadas a adotar, além…

Leia mais