Artigos e Publicações

A Audiência de Conciliação e Mediação no Novo Código de Processo Civil

Publicado em 18 de dezembro de 2015

O novo Código de Processo Civil (NCPC) infundiu nos protagonistas do processo judicial a cultura da pacificação. O NCPC prevê a criação de centros judiciários de solução consensual de conflitos para audiências de conciliação e mediação (art. 165), estabelecendo seus princípios informadores (art. 166).

Mais concretamente, faculta ao autor da demanda revelar já na petição inicial a sua intenção ou não de participar de audiência de conciliação ou mediação (art. 319, VII). Mas é o art. 334 que disciplina o procedimento ad audiência de conciliação, que poderá ser realizada por meio eletrônico.

Em momento preliminar à apresentação de defesa, tornou-se obrigatória a designação de audiência de conciliação ou mediação após o recebimento da petição inicial que preencher os requisitos legais. Somente não será realizada a audiência em questão quando o caso não admitir autocomposição ou quando ambas as partes apresentarem manifestação expressa acerca do desinteresse na composição consensual (§4ª).

O autor deverá demonstrar o seu desinteresse na conciliação já na petição inicial, sendo que o réu deverá fazê-lo mediante apresentação de petição específica em até 10 dias antes da audiência (§5º). No caso de litisconsórcio, todos os litisconsortes devem demonstrar desinteresse na realização da audiência (§6º).

O não comparecimento injustificado de qualquer das partes à audiência de conciliação e mediação será considerado ato atentatório à dignidade da justiça, gerando a imposição de multa no valor de até 2% da vantagem econômica pretendida ou do valor da causa (§8º). A presença dos advogados ou defensores públicos é obrigatória nesta audiência (§9)º, podendo as partes constituir representante com poderes específicos para negociar e celebrar acordo (§10º).

Se a conciliação ou mediação ocorrer, ainda que sobre parte do litígio, será reduzida a termo e, em seguida, homologada por sentença, formando título executivo judicial (art. 515, II).

Trata-se, inequivocamente, de avanço no sentido de desonerar a máquina judiciária pela resolução prematura do litígio através de conciliação ou mediação.

 *** André Luiz Bettega D’Avila é advogado e sócio de Direito Contencioso da Andersen Ballão Advocacia. É Mestre em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (2006) e Master of Arts pela The Fletcher School of Law and Diplomacy at Tufts University (2012).

Artigos Relacionados

É possível alterar o índice de correção monetária…

O índice mais comum para reajuste de preços de contratos de locação, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), teve alta expressiva no ano…

Leia mais

Entenda o que mudou na Recuperação Judicial e…

A Lei 14.118, de 24 de dezembro de 2020, que entrou em vigor em 23.01.2021, alterou alguns pontos relevantes da Lei de Recuperação Judicial e…

Leia mais

Notas sobre Quotas Preferenciais sem Direito a Voto…

Em 10 de junho desse ano, o Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) emitiu a Instrução Normativa nº 81/2020 consolidando diversos pontos muito discutidos…

Leia mais