Artigos e Publicações

Apontamentos jurídicos sobre o bloqueio do WhatsApp

Publicado em 31 de maio de 2016

Em 2 de maio de 2016, o juiz da vara criminal de Lagarto – em Sergipe, Marcel Maia Montalvão, determinou o bloqueio do uso do WhatsApp por 72 horas em todo o país. O bloqueio decorreu da recusa do administrador do aplicativo em cumprir uma decisão judicial anterior de compartilhar informações que subsidiariam uma investigação criminal.

O bloqueio decorreu de uma medida coercitiva ou “execução indireta”. Trata-se de mecanismo processual por meio do qual o juiz pressiona psicologicamente a parte a cumprir ordem judicial. Ao juiz é conferido poder geral para a adoção de medidas coercitivas. Para efetivar uma tutela específica ou obter o resultado prático desejado, o juiz tem à sua disposição as medidas coercitivas descritas no artigo 536, parágrafo 1º do CPC/2015:

“(…) o juiz poderá determinar, entre outras medidas, a imposição de multa, a busca e apreensão, a remoção de pessoas e coisas, o desfazimento de obras e o impedimento de atividade nociva, podendo, caso necessário, requisitar auxílio de força policial.”

Embora legal, o bloqueio judicial do WhatsApp foi razoável?

De início, a medida coercitiva não deve acarretar na esfera jurídica do réu sacrifício maior do que o necessário, por força do artigo 805 do CPC/2015, que diz: “quando por vários meios o exequente puder promover a execução, o juiz mandará que se faça pelo modo menos gravoso para o executado”.

A toda evidência, e mais relevante, a medida coercitiva deverá se restringir aos limites do processo. A partir do momento em que irradia efeitos erga omnes (contra todos), o bloqueio passou não apenas a atingir o WhatsApp, mas todos os seus 100 milhões de usuários estimados em território nacional, absolutamente alheios ao caso concreto de Lagarto-SE. Descurou-se violentamente dos princípios gerais de proporcionalidade e razoabilidade que orientam a atividade jurisdicional.

Ainda que a previsão de suspensão temporária do serviço de internet como penalidade pelo descumprimento de deveres processuais tenha fundamento no artigo 12 da Lei nº 12.965/2014 (Marco Civil da Internet), o bloqueio do WhatsApp trouxe clara exorbitância subjetiva, cerceando a liberdade de comunicação de milhões de brasileiros.

Não se está aqui a concluir que a ordem judicial de exibição do conteúdo do WhatsApp no processo deva ficar sem cumprimento, pena de esvaziar a autoridade jurisdicional. Há um incremento dos poderes coercitivos no CPC/2015 que lhe teriam permitido resolver o problema de outro modo. O que fica patente, de outro lado, é a ilegitimidade e ineficácia do bloqueio, chancelada pela cassação da ordem judicial em grau de recurso. Ao cabo, o próprio Judiciário levantou, acertadamente, o bloqueio ao Whatsapp, beneficiando 100 milhões de brasileiros.

André Bettega D’Ávila é advogado, bacharel em Direito pela Universidade Federal do Paraná – UFPR, Mestre em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC e Master of Arts pela The Fletcher School of Law and Diplomacy at Tufts University. Ele é autor do livro “O Direito do Comércio Internacional no Setor Agrícola” e sócio do Departamento Contencioso da Andersen Ballão Advocacia.

Artigos Relacionados

É possível alterar o índice de correção monetária…

O índice mais comum para reajuste de preços de contratos de locação, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), teve alta expressiva no ano…

Leia mais

Entenda o que mudou na Recuperação Judicial e…

A Lei 14.118, de 24 de dezembro de 2020, que entrou em vigor em 23.01.2021, alterou alguns pontos relevantes da Lei de Recuperação Judicial e…

Leia mais

Notas sobre Quotas Preferenciais sem Direito a Voto…

Em 10 de junho desse ano, o Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) emitiu a Instrução Normativa nº 81/2020 consolidando diversos pontos muito discutidos…

Leia mais