Artigos e Publicações

Arbitragem em alta

Publicado em 29 de julho de 2016

Método tem ganhado cada vez mais espaço na resolução de conflitos e elevado a demanda da ABA por esses serviços

A forma de resolução de conflitos pela qual um árbitro, ou um tribunal arbitral composto por 3 árbitros, julga uma controvérsia tem ganhado espaço crescente no Brasil. A regulamentação da Lei da Arbitragem em 1996 (Lei nº 9.307) e a sua reforma em 2015 (Lei nº 13.129) contribuíram com esse crescimento. Segundo dados da CCI – Câmara de Comércio Internacional, o Brasil ocupou o terceiro lugar em número de casos registrados em 2014, atrás somente dos Estados Unidos e da França. Tamanho desenvolvimento tem refletido também nas demandas do escritório.

Desde a sua fundação, em 1979, a Andersen Ballão tem atuado em processos de arbitragem locais e internacionais. Atualmente, faz isso por meio de um departamento específico de Contencioso e Arbitragem coordenado pelos sócios André Bettega e Frederico Lourenço. A advogada Isabela Albini Maté, associada do Departamento Societário e que colabora com a área de Arbitragem, explica que a ABA atende clientes nesta área em segmentos variados de mercado, mas tem observado crescimento especial nas arbitragens da construção civil, comerciais e em temas relacionados ao Direito Portuário e importação e exportação.

Sobre a amplitude do serviço que o escritório presta neste Departamento hoje, Isabela esclarece: “a Andersen Ballão representa os clientes durante todo o procedimento de arbitragem, desde a instauração, passando por indicação de árbitro, elaboração de defesas, participação em audiências e eventual execução de sentença arbitral”. A advogada ainda cita as principais Câmaras de Arbitragem nas quais a ABA tem atuado: ARBITAC, CCI, CAM-CCBC e GAFTA.

Competições de Arbitragem

A advogada Isabela Maté participou em diversas competições nacionais e internacionais de arbitragem, nas quais equipes de estudantes de Direito se enfrentam em simulações de processos arbitrais, representando clientes em casos fictícios. Durante a graduação, participou como oradora nas competições e, atualmente, é coach da equipe da PUCPR, que conquistou o 3º lugar no 23rd Willem C. Vis International Commercial Arbitration Moot em Viena, neste ano.
De acordo com Isabela, a participação nos eventos é significativa para a formação de bons advogados: “Os estudantes que participam das competições acabam desenvolvendo as qualidades necessárias para a boa prática profissional, como trabalho em equipe, metodologia de pesquisa, oratória e redação. Em especial, as competições são excelentes oportunidades para networking com estudantes, jovens advogados e renomados professores e árbitros do Brasil e do mundo.”.

Artigos Relacionados

É possível alterar o índice de correção monetária…

O índice mais comum para reajuste de preços de contratos de locação, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), teve alta expressiva no ano…

Leia mais

Entenda o que mudou na Recuperação Judicial e…

A Lei 14.118, de 24 de dezembro de 2020, que entrou em vigor em 23.01.2021, alterou alguns pontos relevantes da Lei de Recuperação Judicial e…

Leia mais

Notas sobre Quotas Preferenciais sem Direito a Voto…

Em 10 de junho desse ano, o Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) emitiu a Instrução Normativa nº 81/2020 consolidando diversos pontos muito discutidos…

Leia mais