Artigos e Publicações

Conciliar é legal

Publicado em 8 de janeiro de 2020

O título deste artigo remete às campanhas realizadas pelo Conselho Nacional de Justiça e diversos Tribunais com a intenção de fomentar o acordo entre as partes como a melhor forma de solução dos conflitos submetidos ao Judiciário.

A partir do Novo Código de Processo Civil, conciliar definitivamente tornou-se “legal”, porque, salvo exceções, toda e qualquer ação ordinária se inicia com uma tentativa do Judiciário de tentar estimular a composição entre as partes. É o que diz o artigo 334 do Código de Processo Civil.

No Código anterior, já existiam dispositivos com a mesma finalidade. A principal inovação, entretanto, consiste na tentativa de o legislador antecipar a audiência de conciliação ou de mediação ao momento da apresentação de defesa pelo réu. Semanticamente, a intenção é de que a tentativa de composição se dê antes de formalizada a disputa entre as partes, o que se verificaria com a resposta pelo demandado.

Ainda, o cancelamento da audiência somente ocorre com a concordância das duas partes. Ou seja, o legislador força com isto ao menos um contato preliminar entre partes ou advogados para verificar se existe possibilidade e interesse em transacionar. Não basta uma parte previamente indicar o seu desinteresse, todos os envolvidos devem anuir para somente então se operar o cancelamento da audiência.

Entretanto, a redação do referido artigo legal não é muito clara quanto a algumas situações que já se apresentam no dia a dia do foro. Por exemplo, alguns juízos estão a exigir a presença concomitante de parte e advogado, não bastando que a procuração outorgada a este possua poderes para transigir.

Não raras vezes, a audiência é usada apenas como forma de protelar a apresentação de defesa. O artigo de lei traz a previsão de que, não havendo interesse do réu na composição, este deverá comunicar seu desinteresse com dez dias de antecedência contados da data da audiência (§5º). Ocorre que apenas a ausência da parte é passível de multa (§8º), mas o comparecimento, mesmo que sem proposta, não possui previsão de penalidade. Assim, infelizmente, já se veem práticas reiteradas de comparecimento do réu, sem formulação de proposta, isto porque o pedido de cancelamento da audiência anteciparia o seu prazo de defesa.

Não só no referido artigo, mas também em outros momentos do Código, o legislador estabelece um princípio cooperativo de atuação das partes, portanto, exigindo a necessidade de uma mudança (radical!) de postura das partes do processo. Intenta com isso basicamente a alteração da cultura jurídica hoje vigente, permitindo pensar em um sistema processual efetivamente democrático. Necessário então abandonar a lógica de protagonismo das partes ou do próprio juiz para se pensar a partir de agora em um sistema cooperativo, no qual todos os sujeitos processuais assumem responsabilidades e possibilidades de interlocução ativa.

* Rene Toedter é advogado formado em Direito pela Universidade Federal do Paraná. É pós-graduado em Direito Processual Civil e em Sociologia Política e também Mestre em Direito do Estado (UFPR). Ele trabalha no Departamento de Contencioso e Arbitragem da Andersen Ballão Advocacia desde 2007.

Artigos Relacionados

É possível alterar o índice de correção monetária…

O índice mais comum para reajuste de preços de contratos de locação, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), teve alta expressiva no ano…

Leia mais

Entenda o que mudou na Recuperação Judicial e…

A Lei 14.118, de 24 de dezembro de 2020, que entrou em vigor em 23.01.2021, alterou alguns pontos relevantes da Lei de Recuperação Judicial e…

Leia mais

Notas sobre Quotas Preferenciais sem Direito a Voto…

Em 10 de junho desse ano, o Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) emitiu a Instrução Normativa nº 81/2020 consolidando diversos pontos muito discutidos…

Leia mais