Artigos e Publicações

Marcelo Diniz Barbosa

Denúncia espontânea e a Solução de Consulta 233/2019 da Receita Federal do Brasil

Publicado em 30 de setembro de 2019

Autor:

Marcelo Diniz Barbosa |

Por meio da Solução de Consulta nº 233/2019, publicada em 16 de agosto, a Receita Federal do Brasil pacificou o entendimento de que a denúncia espontânea prevista no art. 138 do Código Tributário Nacional afasta a aplicação de multa, seja ela de caráter moratório ou de ofício.

A denúncia espontânea é instituto que permite a confissão do débito tributário, acompanhado de seu pagamento integral acrescido dos juros de mora, ensejando a dispensa do pagamento de multa moratória ou de ofício.
Embora o recente entendimento do STJ no REsp 1720601, publicado em 23/05/2019, já adotasse essa tese, as autarquias fiscalizadoras continuavam a aplicar as multas de mora nas denúncias espontâneas, perpetuando insegurança jurídica ao contribuinte – a exemplo da Solução de Consulta nº 7 COSIT de 2018.

A Solução de Consulta nº 233/2019 é providencial, uma vez que, anteriormente, para efetivação da denúncia, era necessário o pagamento integral do tributo acrescido de adiantamento da multa de 20% pela mora. Era, portanto, somente a posteriori que o contribuinte poderia demandar a devolução ou compensação dos valores pagos a título de multa na denúncia.

Destaca-se ainda que, não tendo sido efetuado o pagamento integral do tributo acrescido da multa de mora, a penalidade passaria para 75% do valor do tributo devido após o vigésimo dia do início da fiscalização.
Pacificou-se, dessa forma, com as recentes mudanças de entendimento, tanto na seara judicial quanto administrativa, que a denúncia espontânea afasta a aplicação da multa, seja ela de caráter moratório ou de ofício.
Para usufruir da exclusão da responsabilidade no tocante às multas pela utilização da denúncia espontânea, o contribuinte deverá:

• (i) efetuar o pagamento integral do tributo com os respectivos juros moratórios, não sendo possível optar por compensação ou parcelamento;
• (ii) fazer o depósito de maneira espontânea, ou seja, anteriormente ao início de qualquer procedimento administrativo ou medida de fiscalização relacionados com a infração; e
• (iii) tendo sido autuado, efetuar o pagamento integral conforme a denúncia dentro do prazo de 20 dias a contar do início da fiscalização.
Destaca-se ainda que a falta do pagamento integral do tributo declarado na denúncia espontânea não afasta a possibilidade de o fisco iniciar medida ou procedimento administrativo, implicando a rescisão da denúncia e incidência das multas de mora ou ofício.
Dada a relevância do tema, recomenda-se, por fim, a busca de orientação tributária especializada para que aspectos relevantes relacionados ao assunto sejam esclarecidos.

* Marcelo Diniz Barbosa é coordenador do Departamento Tributário da Andersen Ballão Advocacia. Giovanni Faria M. Brandão é acadêmico e estagiário do mesmo departamento.

Artigos Relacionados

STF analisa tributação de doações e heranças no…

    Em vinte e três de outubro, o Supremo Tribunal Federal iniciou o julgamento do Recurso Extraordinário 851108, o qual trata da incidência do…

Leia mais

Prorrogação do envio de declarações exige preparo das…

Recentemente diversas medidas têm sido adotadas pelo fisco federal para amenizar os efeitos da crise econômica gerada pela pandemia da covid-19. As principais têm como…

Leia mais

Recuperação da Taxa Siscomex majorada de maneira inconstitucional

Barbara das Neves e Victoria Rypl*  A Taxa de Utilização do Sistema Integrado de Comércio Exterior – SISCOMEX – foi instituída em 1998, sendo devida…

Leia mais