Artigos e Publicações

Divergência sobre a aplicação da prescrição nas ações de ressarcimento no transporte marítimo

Publicado em 13 de maio de 2013

O tema da prescrição no Direito Marítimo, atualmente, tem sido tratado de forma assistemática pela jurisprudência nacional. O que se verifica é que os Tribunais Pátrios ficam sem norte, reprisando precedentes sem uma fundamentação mais aprofundada e divergindo entre si ao aplicar distintamente o direito para situações fáticas similares.

Uma possível explicação para esta realidade é a ausência de regulamentação legal sobre a temática, a inaplicabilidade de princípios constitucionais, tais como o Princípio da Segurança Jurídica, o Princípio da Isonomia e o da Razoabilidade ou até mesmo dos métodos preciosos de interpretação do positivismo, a exemplo da interpretação teleológica e sistemática no caso concreto. Além disso, o próprio desconhecimento desse ramo do direito e a escassa doutrina sobre o assunto contribuem para este cenário.

Em consequência, não é raro encontrar questões jurídicas, tais como, cobrança de demurrage e as inúmeras teses levantadas acerca de sua natureza jurídica e do prazo prescricional incidente, sem pacificação. Inclusive, é possível encontrar tribunais que defendem a aplicação da prescrição ânua, outros a prescrição trienal, outros ainda a quinquenal e há, por fim, quem esteja convicto de que é a decenal. A polêmica se instaura, inclusive, dentro de um próprio tribunal e inclusive de uma mesma câmara, tamanha a falta de uniformização.

No caso das ações de ressarcimento propostas pela seguradora – em via regressiva – contra o causador das avarias nas mercadorias durante o transporte marítimo, a falta de uniformização quanto ao prazo prescricional aplicado não foge a esta realidade. Ocorre que a prescrição estabelecida no Código Civil perde força perante a existência de norma especial que regula a temática. O Código Civil define a previsão de três anos para a ação de ressarcimento. Entretanto, há regulamentação especial, firmada pelo Artigo 8º do Decreto-lei 116/67 e pelo Artigo 22 da Lei nº 9.611/1998, que trata do ressarcimento no transporte marítimo internacional, com prescrição de um ano.

Ora, tanto o Decreto–Lei n. 116/67 – que dispõe sobre as operações inerentes ao transporte de mercadorias por via d’água nos portos brasileiros, delimita as responsabilidades e trata das faltas e avarias – quanto a Lei nº 9.611/1998 – que dispõe sobre o Transporte Multimodal de Cargas, consistem em legislação específica ao transporte de cargas pelo mar. Por serem específicas, estas prevalecem sobre o Código Civil.

Nesse sentido, as divergências entre os Tribunais Pátrios causam insegurança quanto ao direito aplicável, visto que cada Tribunal entende de uma forma, o que compromete significativamente a “Segurança Jurídica”.

Conforme cita Miguel Reale em seu livro Filosofia do Direito: “(…) como em toda comunidade é mister que uma ordem jurídica declare, em última instância, o que é lícito ou ilícito”. Da mesma forma que a declaração da ordem jurídica do que é lícito ou não traz estabilidade, segurança para as relações sociais, a determinação do prazo prescricional, ou melhor, uma definição uniforme quanto a ele, é imprescindível para compor a segurança jurídica.

Foi justamente para evitar esses conflitos que a Constituição estabeleceu no seu art. 105, III e 102, III o manejo de recursos (Especial e Extraordinário) às Cortes Superiores para se uniformizar a jurisprudência. E é o que se espera, ou seja, que haja uma decisão atual e que pacifique o entendimento, aplicando-se aos casos de ressarcimento pela via regressiva proposta pelas seguradoras, o prazo ânuo.

Em outras palavras para que seja restabelecida a segurança jurídica, interessante seria que se confirmasse o entendimento de que a prescrição é ânua, seja porque há lei especial regulamentando a matéria (Dec. Lei 116/67 e Lei 9611/98) – e lei especial prevalece sobre a geral – seja porque essa interpretação é a mais razoável e compatível com a sistemática do Novo Código Civil que primou pela redução dos prazos prescricionais.

**** Letícia Martins de França é advogada, graduada em Direito pela UniCuritiba (programa Bom Aluno – IBAB) e pós-graduanda em Direito Aduaneiro pela mesma instituição de ensino. Integra a equipe do escritório Andersen Ballão Advocacia desde 2009.

Artigos Relacionados

É possível alterar o índice de correção monetária…

O índice mais comum para reajuste de preços de contratos de locação, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), teve alta expressiva no ano…

Leia mais

Entenda o que mudou na Recuperação Judicial e…

A Lei 14.118, de 24 de dezembro de 2020, que entrou em vigor em 23.01.2021, alterou alguns pontos relevantes da Lei de Recuperação Judicial e…

Leia mais

Notas sobre Quotas Preferenciais sem Direito a Voto…

Em 10 de junho desse ano, o Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) emitiu a Instrução Normativa nº 81/2020 consolidando diversos pontos muito discutidos…

Leia mais