Artigos e Publicações

Yasmin Hosaka

Entenda os desafios de implementar um Imposto Mínimo Global no Brasil e no mundo

Publicado em 31 de agosto de 2021

Autor:

Yasmin Hosaka |

Recentemente, a OCDE apresentou um novo plano de dois pilares propondo um Imposto Mínimo Global. O projeto pretende assegurar que as grandes multinacionais, sobretudo de economia digital, sejam tributadas de forma justa onde operam.

A OCDE afirma que planejamentos tributários utilizados pelas multinacionais prejudicam a arrecadação global entre 100 e 240 bilhões de euros por ano, por meio de lacunas e desencontros entre os vários sistemas fiscais dos países. Contudo, há um longo caminho a ser trilhado, uma vez que ainda não há um plano detalhado para a efetivação de um sistema global tão complexo.

Neste novo acordo, o primeiro pilar pretende uma repartição mais equitativa dos lucros e direitos entre países, mirando as multinacionais com faturamento mundial superior a 20 bilhões de euros, e com margem de lucro acima de 10%. Seriam atingidas as cem maiores multinacionais, incluindo Google, Apple e Amazon.

O segundo pilar propõe a criação de um imposto mínimo global de pelo menos 15% para as empresas multinacionais com mais de 890 milhões de euros de faturamento.
O sistema pretende transferir a tributação para os países onde o mercado consumidor se concentra, ou seja, onde produtos ou serviços são vendidos e prestados, ao invés de concentrar a arrecadação nos países em que estão situadas as sedes das empresas de tecnologia.

A entrega de um plano detalhado é prevista para outubro deste ano, e a implementação está programada para 2023. Atualmente, 133 jurisdições aderiram ao novo documento, que conta com o apoio do G-7 desde junho, e do G-20, desde julho. Nessa última reunião, o grupo acordou estabelecer o imposto corporativo mínimo em 15% e alterar o local da arrecadação de tributos – mudanças condizentes com a economia digital moderna, que também visam deter a evasão tributária por grandes multinacionais tecnológicas.

Entretanto, nem todos os membros do Projeto BEPS (erosão de base e transferência de lucros, em inglês) manifestaram concordância, como é o caso de Irlanda e Hungria, que cobram um imposto baixo sobre o lucro das corporações, como plano de atração de investimentos. Convencer esses países já é um primeiro desafio a ser enfrentado por aqueles que encabeçam o plano.

Ademais, existe uma série de outras questões a serem enfrentadas. Exemplo disso seria a criação de uma possível “guerra fiscal”, em que as jurisdições se absteriam de implementar o imposto mínimo a fim de atrair as sedes das empresas para seu território. Ou, ainda, se o projeto terá impacto em medidas de recuperação econômica oriundas da pandemia do COVID-19.

Para o Brasil, a Receita Federal avaliou recentemente que a medida não seria tão vantajosa. Isso fez com que o país se juntasse a outros emergentes para a defesa de um imposto mínimo global acima de 15%, com uma melhor distribuição da arrecadação.

A OCDE estimou que o Brasil poderia aumentar sua arrecadação entre 2 e 3 bilhões de dólares por ano com o novo plano. Todavia, verifica-se que, caso fosse adotado um patamar de 21%, a arrecadação do país poderia ser de 10 bilhões de dólares, segundo a ONG Tax Justice Network.

Deve-se considerar ainda que o ordenamento tributário brasileiro é diferente de países membros da OCDE, podendo não se compatibilizar com a proposta do imposto mínimo.

Também haveria conflitos com a criação de tributos próprios para a economia digital moderna, como é o caso do Projeto de Lei nº 2.358/2020, em que se pretende criar a CIDE-Digital e do Projeto de Lei Complementar nº 131/2020, que propõe um COFINS incidente sobre a receita bruta de empresas que se utilizam de plataformas digitais.

Isso não é uma particularidade do Brasil: os Estados Unidos já tentam convencer a União Europeia a abandonar seus planos para uma tributação dos serviços digitais.

Artigos Relacionados

STF analisa tributação de doações e heranças no…

    Em vinte e três de outubro, o Supremo Tribunal Federal iniciou o julgamento do Recurso Extraordinário 851108, o qual trata da incidência do…

Leia mais

Prorrogação do envio de declarações exige preparo das…

Recentemente diversas medidas têm sido adotadas pelo fisco federal para amenizar os efeitos da crise econômica gerada pela pandemia da covid-19. As principais têm como…

Leia mais

Recuperação da Taxa Siscomex majorada de maneira inconstitucional

Barbara das Neves e Victoria Rypl*  A Taxa de Utilização do Sistema Integrado de Comércio Exterior – SISCOMEX – foi instituída em 1998, sendo devida…

Leia mais