Artigos e Publicações

Estrutura contratual de Startups

Publicado em 22 de dezembro de 2016

O início de uma empresa, seja startup ou não, é sempre permeado por muita animação, otimismo e uma quantidade sem fim de tarefas a serem cumpridas. Pensar nos contratos a serem usados nunca está entre as prioridades – que envolvem definir o seu modelo de negócio, aprimorar o produto, encontrar clientes, entre outras.

A elaboração dos contratos (ou Termos e Condições, proveniente do inglês Terms and Conditions – T&C) e a atenção a questões jurídicas, todavia, acabam em algum momento sendo parte essencial do aprimoramento da solução, pois podem restringir o seu campo de atuação, exigir adequações e, por vezes, até ampliar as possibilidades, com redução de custos. Conhecer até onde se pode ir, legalmente falando, muitas vezes amplia o potencial e auxilia no desenho do modelo de negócio – como exemplo, as fintechs (segmento das startups que criam inovações na área de serviços financeiros) são soluções que necessitam, desde a sua idealização, uma detalhada análise de aspectos jurídicos, visto que a área bancária é fortemente regulada.

Assim, o que devemos pensar quando estamos estruturando a operação e queremos alinhar os instrumentos jurídicos? Primeiro, ter em mente que essa é uma via de mão dupla – se o jurídico pode ajudar no modelo de negócio, o modelo de negócio é essencial para a definição das proteções e do caminho a ser seguido. Cada público, assim como cada produto/serviço, implica em riscos diferentes, e é o papel do advogado, por exemplo, auxiliar o empreendedor a entender e aceitar os riscos, cabendo ao empreendedor a definição de absorver o risco ou de adequar a estrutura para reduzir a exposição.

O empreendedor deve se perguntar que parte do produto ou serviço viola qual direito, quem teria interesse em processar a sua empresa, ou seja, quem sofreria algum dano com a sua atividade e, ainda, se haveria alguma forma de evitar ou reduzir esse risco de dano. Por vezes, as respostas são óbvias e podem ser tratadas desde o começo, mas em outras ocasiões um suporte jurídico é essencial, especialmente quando o empreendedor não consegue enxergar qualquer risco na operação por conta própria.

Se o modelo envolve serviços gratuitos e o retorno virá com publicidade (anúncios direcionados, ou targeted ads), a primeira preocupação é com privacidade. Caso envolva a venda e frete de produtos, deve-se considerar o direito de arrependimento, com devolução do produto sem custo ao cliente. Ainda, se envolve conteúdo de terceiros (ou mesmo de clientes), análise de questões de direito autoral e propriedade intelectual são essenciais.

E lembremos sempre que cada um destes pontos é tratado de forma diversa em cada país no qual a solução será oferecida. Especialmente em modelos de negócio que envolvem B2C (business-to-customer, ou seja, vendas ao consumidor e não a outras empresas – B2B), a proteção aos direitos do consumidor deve ser atentada, pois via de regra consumidores possuem proteção especial em cada país. Um consumidor brasileiro, contratando e utilizando um serviço no Brasil, ainda que de uma empresa estrangeira, poderia pleitear prevalência da lei brasileira, mesmo que os T&C tratem de forma diversa.

Para evitar tal transtorno, o empreendedor deve, como falamos acima, (i) entender e aceitar o risco ou (ii) restringir os locais de acesso (com bloqueio de IP, restrição ao uso de cartão de crédito, localização de servidor, línguas utilizadas, ressalvas expressas em T&C etc.), evitando tomar atitudes de grande impacto sem ao menos entender os riscos envolvidos.

Além disso, há outros aspectos genéricos que devem ser atentados, independentemente do modelo de negócio. A validade e extensão dos próprios T&C deve ser considerada, pois trata-se de um contrato de adesão, cuja interpretação favorece ao aderente/cliente, e cujos limites são um tanto mais estritos que outros contratos comerciais. Assim, o documento deve ser o mais claro possível, evitando previsões abusivas e buscando equilibrar a proteção do consumidor com os interesses da empresa.

Essa não é uma recomendação obrigatoriamente para o momento de validação e incubação, mas começa a ser uma necessidade no momento de aceleração, expansão e até ao pivotar (revisar e mudança do rumo do negócio), pois são momentos de amadurecimento que implicam em maior exposição e um passo dado sem conhecimento adequado dos riscos pode significar um problema grave, tanto para a nova empresa quanto para os sócios, pessoalmente.

Rafael Augusto Firakowski Cruz é advogado, Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Paraná – UFPR, Pós-graduado em Direito Civil e Empresarial e em Direito, Logística e Negócios Internacionais pela PUC/PR. É Mestre em Direito – LL.M pela University of California, Berkeley. Rafael é membro do Departamento Corporativo da Andersen Ballão Advocacia desde 2008.

Artigos Relacionados

É possível alterar o índice de correção monetária…

O índice mais comum para reajuste de preços de contratos de locação, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), teve alta expressiva no ano…

Leia mais

Entenda o que mudou na Recuperação Judicial e…

A Lei 14.118, de 24 de dezembro de 2020, que entrou em vigor em 23.01.2021, alterou alguns pontos relevantes da Lei de Recuperação Judicial e…

Leia mais

Notas sobre Quotas Preferenciais sem Direito a Voto…

Em 10 de junho desse ano, o Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) emitiu a Instrução Normativa nº 81/2020 consolidando diversos pontos muito discutidos…

Leia mais