Artigos e Publicações

Impenhorabilidade do bem de família, ainda que luxuoso

Publicado em 8 de janeiro de 2020

A Lei 8009/1990 dispõe sobre a impenhorabilidade do bem de família. Em seu art. 1º prescreve que: “o imóvel residencial próprio do casal, ou da entidade familiar, é impenhorável e não responderá por qualquer tipo de dívida civil, comercial, fiscal, previdenciária ou de outra natureza, contraída pelos cônjuges ou pelos pais ou filhos que sejam seus proprietários e nele residam, salvo nas hipóteses previstas nesta lei.”

O art. 5º da supracitada Lei, define como residência um único imóvel utilizado pelo casal ou entidade familiar para moradia permanente. Muito se tem questionado a respeito dessa proteção legal. Por exemplo, se o devedor, no caso, acumula muitas dívidas, mas o imóvel que possui como residência é luxuoso, ainda assim a impenhorabilidade seria aplicável? Não seria razoável vendê-lo, garantindo o mínimo necessário ao devedor para que conquistasse outra moradia, ainda que mais simples, e ao mesmo tempo fizesse frente às suas obrigações? E se tem dois imóveis ou mais, o de menor valor não deveria ser protegido e os demais servirem para satisfação da dívida?

Parece que não. Em discussão recente travada no Superior Tribunal de Justiça, a Quarta Turma, no Recurso Especial nº1.351.571, consolidou o entendimento de que o bem de família é impenhorável, mesmo quando se trata de imóvel de alto valor mercadológico.

O posicionamento dominante é no sentido de que a Lei não estabeleceu distinção entre imóvel luxuoso ou não quando instaurou a proteção legal e definiu o que seria um imóvel de alto valor de mercado. É deveras subjetivo fazer a distinção, não existindo parâmetro legal para tal. Nesse sentido:

“Na hipótese, não se afigura viável que, para a satisfação do crédito, o exequente promova a penhora, total, parcial ou de percentual sobre o preço do único imóvel residencial no qual comprovadamente reside a executada e sua família, pois além da lei 8009/90 não ter previsto ressalva ou regime jurídico distinto em razão do valor econômico do bem, questões afetas ao que é considerado luxo, grandiosidade, alto valor estão no campo nebuloso da subjetividade e da ausência de parâmetro legal ou margem de valoração” (STJ, Resp nº 1.351.571-SP, Rel. Min. Marco Buzzi, Quarta Turma, Julg. 27.09.2016, Publ. 11.11.2016)

Permitir, portanto, a penhora de fração ideal de imóvel de alto valor para garantir o pagamento da dívida seria extrapolar os limites da Lei, que já teria contemplado o rol taxativo de exceções à impenhorabilidade, devendo, portanto, a interpretação se manter fiel, literal e restritiva à Lei, que visa proteger e não restringir direitos.

** Letícia Martins de França é advogada, Bacharel em Direito pela UniCuritiba e Pós-Graduada em Direito Aduaneiro, também pela UniCuritiba. Ele é integrante do Departamento Contencioso da Andersen Ballão Advocacia desde 2013.

Artigos Relacionados

É possível alterar o índice de correção monetária…

O índice mais comum para reajuste de preços de contratos de locação, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), teve alta expressiva no ano…

Leia mais

Entenda o que mudou na Recuperação Judicial e…

A Lei 14.118, de 24 de dezembro de 2020, que entrou em vigor em 23.01.2021, alterou alguns pontos relevantes da Lei de Recuperação Judicial e…

Leia mais

Notas sobre Quotas Preferenciais sem Direito a Voto…

Em 10 de junho desse ano, o Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) emitiu a Instrução Normativa nº 81/2020 consolidando diversos pontos muito discutidos…

Leia mais