Artigos e Publicações

Limbo Jurídico Previdenciário

Publicado em 8 de janeiro de 2020

De acordo com o artigo 476 da CLT e o artigo 63 da Lei n.8.213/91, durante o curso do benefício de auxílio-doença o contrato de trabalho fica suspenso. Obtida a alta previdenciária pelo segurado, cessa a suspensão, cabendo às partes o dever de cumprir com suas respectivas obrigações: o empregado de prestar serviços e o empregador de pagar salários.

Nessa linha, o Decreto 8691 de 14/03/2016, acrescentou o § 6º, ao artigo 75 do Decreto 3.048/99, pelo qual a impossibilidade de atendimento pela Previdência Social ao segurado antes do término do período de recuperação indicado pelo médico assistente na documentação autoriza o retorno do empregado ao trabalho no dia seguinte à data indicada pelo médico assistente.

Ou seja, após o término do período de recuperação indicado pelo médico assistente (perito do INSS), o empregado deverá retornar imediatamente ao trabalho.

Ocorre que são cada vez mais frequentes os casos em que o empregado após obter a alta previdenciária, é considerado inapto para o exercício de suas atividades. Note-se que a inaptidão pode ser reconhecida pelo médico do empregado ou pelo médico da empresa ao realizar o exame médico ocupacional de retorno.

Em tais situações o empregado deixa de receber o benefício previdenciário e não retorna ao trabalho, ficando sem perceber salário até que a situação se defina.

É o chamado “limbo jurídico previdenciário”, que pode perdurar por meses ou anos, eis que nestas hipóteses o empregado pode buscar reverter a decisão do INSS tanto pela via administrativa, recorrendo da decisão ao próprio órgão, quanto pela via judicial.

Nestas hipóteses, conquanto não exista lei que imponha à empresa aceitar o segurado ainda convalescente de volta ao trabalho, a jurisprudência majoritária vem se manifestando no sentido de que tendo o empregado se apresentado ao trabalho e sendo incerta sua aptidão para o exercício de suas funções, cabe ao empregador realocá-lo em atividade compatível com suas limitações físicas, e não somente negar o seu retorno ao trabalho.

Tal entendimento fundamenta-se na premissa de que apenas os peritos do INSS têm competência legal para emitir parecer sobre a capacidade de trabalho para fins previdenciários, e, embora a empresa tenha o dever de adotar medidas que preservem a saúde e a integridade física do empregado, esta não pode privá-lo do direito ao trabalho e ao recebimento de salário.

Assim, se o empregador não cumpre com sua obrigação contratual, obstando desse modo a prestação de serviços por parte do empregado, deverá pagar-lhe os salários correspondentes ao período compreendido entre a data da alta previdenciária e a do efetivo retorno ao trabalho ou do restabelecimento do benefício previdenciário.

Por outro lado, deve-se observar que para fazer jus ao retorno ao trabalho e, consequentemente, ao pagamento dos salários, o segurado empregado deverá manifestar seu interesse em retornar ao serviço.

Assim, se o próprio empregado não se julga capaz de retornar ao trabalho, não se pode atribuir ao empregador a responsabilidade pela alegada proibição de retorno ao serviço e, por consequência, o ônus de pagamento de salário sem a corresponde prestação de serviço, aplicando-se à estes casos o disposto no artigo 476 do Código Civil: Nos contratos bilaterais, nenhum dos contratantes, antes de cumprida a sua obrigação, pode exigir o implemento da do outro.

Logo, a mera constatação do “limbo jurídico previdenciário” não enseja por si só obrigação do empregador ao pagamento dos salários do segurado empregado, sendo indispensável que este manifeste seu expresso e efetivo interesse em retornar ao serviço.

** Daniele Esmanhotto Duarte é advogada, Bacharel em Direito pela Faculdade de Direito de Curitiba – UNICURITIBA (1995). Ela atua no Departamento Trabalhista da Andersen Ballão Advocacia desde 2011.

Artigos Relacionados

É possível alterar o índice de correção monetária…

O índice mais comum para reajuste de preços de contratos de locação, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), teve alta expressiva no ano…

Leia mais

Entenda o que mudou na Recuperação Judicial e…

A Lei 14.118, de 24 de dezembro de 2020, que entrou em vigor em 23.01.2021, alterou alguns pontos relevantes da Lei de Recuperação Judicial e…

Leia mais

Notas sobre Quotas Preferenciais sem Direito a Voto…

Em 10 de junho desse ano, o Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) emitiu a Instrução Normativa nº 81/2020 consolidando diversos pontos muito discutidos…

Leia mais