Artigos e Publicações

Mudanças na PLR – Participação nos Lucros e Resultados da empresa

Publicado em 15 de julho de 2013

A Lei 12.832, promulgada em junho deste ano, estabeleceu novas normas relacionadas aos programas de participação nos lucros e resultados das empresas.  A nova lei alterou dispositivos das Leis 10.101 (de 19/12/2000) e 9.250 (de 26/12/1995). As principais mudanças dizem respeito à tributação pelo imposto de renda a ser retido na fonte, à aplicação de metas, às informações concedidas pelas organizações, entre outras questões relevantes.

Dentre as principais alterações quanto aos critérios de regulação da PLR, destaca-se a obrigação de a organização fornecer à comissão de empregados informações sobre os índices de produtividade, qualidade ou lucratividade que colaborem com as negociações entre os trabalhadores e a instituição. Essa obrigação deve servir de alerta para as empresas quando da definição das metas e resultados que pretendem ver apuradas na PLR. Ela autoriza a comissão de trabalhadores a exigir a apresentação de documentos e relatórios oficiais referentes a estes assuntos. Assim, é preciso levar em conta que, ao longo da negociação, poderão ser solicitadas informações estratégicas ou confidenciais.

Entre as mudanças oriundas da nova lei também há a proibição de aplicação de metas referentes à saúde e à segurança do trabalho. A limitação de indicadores referentes à saúde e à segurança do trabalho afasta por completo a possibilidade de inclusão de metas como, por exemplo, aquelas relacionadas a acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, utilização de EPIs, cumprimento de normas de segurança e exames médicos.

Outra alteração importante diz respeito à possibilidade de os pagamentos de antecipação ou distribuição de valores serem realizados em periodicidade trimestral – respeitado o limite de dois pagamentos no mesmo ano civil. A alteração empresta maior flexibilidade na definição dos prazos de pagamento, especialmente em relação aos eventuais adiantamentos e aos períodos de apuração. Tal mudança também afasta o engessamento anterior que obrigava a distribuição em periodicidade semestral.

Sobre a tributação, a nova lei estabelece isenção total da cobrança de Imposto de Renda sobre valores de até R$ 6 mil recebidos por empregados a título de PLR. A retenção do imposto de renda na fonte observará tabela progressiva própria, específica para a participação de lucros e resultados. Abaixo, seguem os cálculos:

tabela

Por fim, ainda é importante destacar que permanecem inalteradas as principais características da PLR, a saber: pactuação prévia dos índices e das metas, não incidência de qualquer encargo trabalhista, compensação dos pagamentos da PLR da empresa com aqueles definidos em Acordos ou Convenções Coletivas e possibilidade de dedução dos valores pagos – como despesa operacional para efeito de apuração do lucro real.

Enrico Nichetti é advogado graduado em Direito pela UFPR e especialista em Direito do Trabalho. É sócio do escritório Andersen Ballão Advocacia desde o ano 2000.

Artigos Relacionados

É possível alterar o índice de correção monetária…

O índice mais comum para reajuste de preços de contratos de locação, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), teve alta expressiva no ano…

Leia mais

Entenda o que mudou na Recuperação Judicial e…

A Lei 14.118, de 24 de dezembro de 2020, que entrou em vigor em 23.01.2021, alterou alguns pontos relevantes da Lei de Recuperação Judicial e…

Leia mais

Notas sobre Quotas Preferenciais sem Direito a Voto…

Em 10 de junho desse ano, o Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) emitiu a Instrução Normativa nº 81/2020 consolidando diversos pontos muito discutidos…

Leia mais