Artigos e Publicações

O cabimento da denúncia espontânea em matéria aduaneira

Publicado em 23 de outubro de 2014

Entende-se por denúncia espontânea, a autodenúncia, ou seja, a denúncia do próprio sujeito infrator que se adianta ao procedimento fiscal “confessando” o descumprimento de uma obrigação tributária ou administrativa, cumprindo-a e beneficiando-se pela exclusão das penalidades que lhes seriam aplicadas.

A denúncia espontânea em matéria aduaneira encontra-se positivada no art. 102 § 2º do Decreto-Lei nº 37/66, reproduzido no art. 683 § 2º do Regulamento Aduaneiro (Decreto nº 6759/2009).

Antes de 2010, o § 2º do art. 102 era taxativo ao prescrever que a denúncia espontânea excluía apenas as penalidades de natureza tributária. Com o advento da Medida Provisória nº 497, de 2010, que foi convertida na Lei nº 12.350/2010, tal raciocínio, contudo, modificou-se.

Eis que referida Lei alterou o § 2º do art. 102 do Decreto – Lei nº 37/66 para retirar a expressão “somente as penalidades de natureza tributária” e incluir “a aplicação de penalidades de natureza tributária ou administrativa”, estendendo, assim, o cabimento do instituto para as penalidades de natureza administrativa. Nesse sentido:

Art.102 – A denúncia espontânea da infração, acompanhada, se for o caso, do pagamento do imposto e dos acréscimos, excluirá a imposição da correspondente penalidade. (Redação dada pelo Decreto-Lei nº 2.472, de 01/09/1988)
(…)

§ 2o A denúncia espontânea exclui a aplicação de penalidades de natureza tributária ou administrativa, com exceção das penalidades aplicáveis na hipótese de mercadoria sujeita a pena de perdimento. (Redação dada pela Lei nº 12.350, de 2010)

A própria lei específica ao tema foi alterada, portanto, para esclarecer de forma definitiva o cabimento da denúncia espontânea para as penalidades de natureza administrativa, restringindo a aplicação de referido instituto somente para as penalidades aplicáveis na hipótese de mercadoria sujeita a pena de perdimento.

O objetivo da alteração foi simplesmente estender o cabimento da denúncia espontânea para todas as penalidades, a exceção da pena de perdimento, inclusive para aquelas cuja natureza não é clara ou gera controvérsias, a exemplo das multas do Siscarga.

A própria Exposição de Motivos da Medida Provisória nº 497, de 2010 (que foi convertida na Lei 12.350, que altera o art. 102 do Decreto-Lei nº 37/66, sobre denúncia espontânea) leva a essa conclusão inexorável, senão vejamos:

(…) 40. A proposta de alteração do § 2º do art. 102 do Decreto-Lei nº 37, de 1966, visa a afastar dúvidas e divergência interpretativas quanto à aplicabilidade do instituto da denúncia espontânea e a consequente exclusão da imposição de determinadas penalidades, para as quais não se tem posicionamento doutrinário claro sobre sua natureza. (…) 47. A proposta de alteração objetiva deixar claro que o instituto da denúncia espontânea alcança todas as penalidades pecuniárias, aí incluídas as chamadas multas isoladas, pois nos parece incoerente haver a possibilidade de se aplicar o instituto da denúncia espontânea para penalidades vinculadas ao não-pagamento de tributo, que é a obrigação principal, e não haver essa possibilidade para multas isoladas, vinculadas ao descumprimento de obrigação acessória.” (Grifo nosso).

Importante destacar ainda que para que a exclusão da responsabilidade ocorra, tal qual há na denúncia espontânea em matéria tributária, deve-se, contudo, observar se não houve início de procedimento fiscal, mediante ato de ofício, escrito e, praticado por servidor competente, tendente a apurar a infração. Além disso, de acordo com a alínea “a” do § 1º do art. 102 do Decreto-Lei nº 37/66, também não considerará espontânea a denúncia apresentada no curso do despacho aduaneiro, até o desembaraço aduaneiro.

***Letícia Martins de França é advogada, Bacharel em Direito pela UniCuritiba, e integrante do Departamento Contencioso do escritório Andersen Ballão Advocacia desde 2009.

Artigos Relacionados

É possível alterar o índice de correção monetária…

O índice mais comum para reajuste de preços de contratos de locação, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), teve alta expressiva no ano…

Leia mais

Entenda o que mudou na Recuperação Judicial e…

A Lei 14.118, de 24 de dezembro de 2020, que entrou em vigor em 23.01.2021, alterou alguns pontos relevantes da Lei de Recuperação Judicial e…

Leia mais

Notas sobre Quotas Preferenciais sem Direito a Voto…

Em 10 de junho desse ano, o Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) emitiu a Instrução Normativa nº 81/2020 consolidando diversos pontos muito discutidos…

Leia mais