Artigos e Publicações

Portaria PGFN n.º 33/2018 – Novidades sobre a Cobrança do Crédito Tributário Federal

Publicado em 8 de janeiro de 2020

Em fevereiro de 2018, a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN) editou a Portaria n.º 33/2018, com o objetivo de regulamentar os arts. 20-B e 20-C, introduzidos na Lei n.º 10.522/2002, pela Lei 13.606/2018.

Os referidos artigos incluíram no ordenamento jurídico a possibilidade da realização, pela Procuradoria da Fazenda Nacional, da averbação pré-executória da certidão de dívida ativa, que nada mais é do que o bloqueio de bens dos contribuintes, antes do ajuizamento das competentes ações de cobrança (execuções fiscais), com o objetivo de garantir a satisfação dos débitos.

De acordo com a Portaria n.º 33/2018, após a inscrição do débito em dívida ativa, o contribuinte/devedor será intimado, por meio do ECAC da PGFN, para: efetuar o pagamento do débito em até 5 dias, apresentar de pedido de revisão da dívida ou oferecer garantia para a futura Execução Fiscal. Caso nenhuma dessas providências seja tomada pelo contribuinte, a PGFN poderá adotar as seguintes medidas: (i) protesto da CDA; (ii) inscrição no CADIN e registro em outros serviços de proteção ao crédito; (iii) averbação pré-executória, inclusive por meio eletrônico; (iv) cobrança da dívida por meio de instituições financeiras públicas; (v) aplicação de multa por distribuição irregular de bonificações a acionistas, conforme art. 32 da Lei nº 4.357/64; (vi) cancelamento de benefícios e/ou incentivos fiscais, inclusive os vinculados ao Comércio Exterior; (vii) representação junto a agências reguladoras para revogação de concessões e permissões de prestação de serviços públicos; (viii) revogação de contratos públicos (licitações); e (ix) encaminhamento de representação à Receita Federal para cancelamento da habilitação ao Despacho Aduaneiro Expresso (Linha Azul) e da certificação ao Programa Brasileiro de Operador Econômico Autorizado.

Não há dúvidas de que os objetivos da Lei n.º 13.606/2018 são garantir a satisfação do crédito tributário e reduzir os gastos públicos com o ajuizamento de execuções fiscais frustradas, o que é louvável e se coaduna com os princípios que regem a administração pública, tais como a publicidade, moralidade e eficiência.

Todavia, também é certo que essas medidas, como postas e, principalmente, regulamentadas pela Procuradoria da Fazenda Nacional, violam diversos direitos dos contribuintes previstos na Constituição Federal, no Código Tributário Nacional e na Lei de Execuções Fiscais, como a ampla defesa e devido processo legal, que de forma alguma podem ser colocados de lado, sob qualquer justificativa, ainda mais considerando o fato de que o Fisco já possui meios privilegiados para a cobrança de seus créditos. Indo além, as sanções impostas pela Portaria PGFN n.º 33/2018 representam, na verdade, um meio coercitivo de cobrança de tributos, o que é vedado pelo nosso ordenamento jurídico, em especial pelos princípios constitucionais que garantem o livre exercício de atividades profissionais lícitas.

Atualmente, já existem três ações diretas de inconstitucionalidade questionando os arts. 20-B e 20-C, em especial a parte que concedeu o direito à Fazenda Nacional de unilateralmente tornar indisponíveis os bens dos contribuintes, por meio da simples averbação da certidão de dívida ativa nos órgãos de registros de bens e direitos sujeitos a arresto e penhora.

Contudo, enquanto eventual inconstitucionalidade não for reconhecida, a Portaria n.º 33/2018 é válida e entrará em vigor em breve, sendo aplicável a todos os débitos inscritos em dívida ativa após o início dos seus efeitos (120 dias após a publicação).

É cabível o ajuizamento de medidas judiciais para afastar essas restrições, tão logo elas sejam concretizadas pela PGFN. De toda forma, independentemente das discussões que envolvem o tema, o que se recomenda é a prática de atos de prevenção e controle do status dos débitos com a Receita Federal do Brasil e Procuradoria da Fazenda Nacional, mediante a realização de consultas frequentes aos relatórios de situação fiscal e às mensagens encaminhadas pelo Fisco por meio do ECAC, principalmente para o cumprimento tempestivo de todas as intimações recebidas.

Mariana Vale Darwich Apgáua é Bacharel em Direito e Pós-graduada em Direito Tributário pela Faculdade de Direito Milton Campos/MG. Atualmente a advogada atua no Departamento Tributário da Andersen Ballão Advocacia.

Artigos Relacionados

É possível alterar o índice de correção monetária…

O índice mais comum para reajuste de preços de contratos de locação, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), teve alta expressiva no ano…

Leia mais

Entenda o que mudou na Recuperação Judicial e…

A Lei 14.118, de 24 de dezembro de 2020, que entrou em vigor em 23.01.2021, alterou alguns pontos relevantes da Lei de Recuperação Judicial e…

Leia mais

Notas sobre Quotas Preferenciais sem Direito a Voto…

Em 10 de junho desse ano, o Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) emitiu a Instrução Normativa nº 81/2020 consolidando diversos pontos muito discutidos…

Leia mais