Artigos e Publicações

Prescrição e Responsabilidade Civil

Publicado em 25 de junho de 2014

O instituto da responsabilidade civil pressupõe a agressão de um interesse particular da vítima a partir da violação pelo agente de uma norma jurídica preexistente (legal ou contratual), sujeitando este infrator à restauração do estado anterior quando possível, ou ao pagamento de compensação pecuniária. Neste sentido, são elementos gerais para caracterização da responsabilidade civil: (i) a conduta positiva ou negativa do agente infrator, ou seja, ação ou omissão que viole a norma; (ii) o dano experimentado pela vítima; e (iii) o nexo de causalidade que liga a conduta do infrator ao dano da vítima.

A depender da natureza da norma jurídica violada pelo agente causador do dano, é possível realizar uma subdivisão da responsabilidade civil, quando se pode tipificá-la em responsabilidade civil contratual, decorrente infração à norma contratual anteriormente fixada pelas partes, ou responsabilidade civil extracontratual (também chamada de aquiliana), que se vê a partir do desrespeito a uma norma disposta em texto de lei. Há quem critique esta dualidade de tratamento, entendendo que independentemente dos aspectos que dão origem à responsabilidade civil (contrato ou norma legal), os efeitos são uniformes; mas fato é que majoritariamente os Tribunais fazem esta distinção para apuração da responsabilidade civil do agente e seu consequente dever de indenizar.

Por sua vez, o tempo é fato jurídico natural a balizar as relações jurídicas entre as partes, de modo a poder influir na gênese, no exercício e até mesmo na perda de direitos. A partir desta concepção, a Lei Civil trabalha o instituto da prescrição como sendo a perda da pretensão em razão da inércia do titular exercê-la dentro do prazo fixado em lei. Em outras palavras, se aquele que foi lesado não agir dentro do período previsto em lei, exigindo a proteção de seu direito pelo Judiciário, extingue-se a sua pretensão e tolera-se, por assim dizer, a lesão verificada no seu direito subjetivo. A lógica da prescrição seria a recusa do ordenamento jurídico proteger a negligência e inércia do titular de dado direito, primando pela estabilização da certeza e segurança nas relações jurídicas.

Quando não se está diante de uma relação de consumo*, a regra do Código Civil prevê a prescrição em três anos da pretensão à responsabilidade civil: “Artigo 206. Prescreve: (…) §3º em três anos: (…) inciso V – a pretensão de reparação civil”. Apesar do referido artigo de lei ser especifico quanto à reparação civil e não fazer qualquer distinção em relação à modalidade da origem da responsabilidade civil (se contratual ou extracontratual), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) cada vez mais solidifica o entendimento de diferenciar o prazo prescricional a depender da gênese da responsabilidade civil.

Nesse sentido, o Superior Tribunal de Justiça entende que a regra especifica de prescrição em três anos é válida apenas para a responsabilidade civil extracontratual. Por outro lado, aplica a regra geral do prazo de prescrição de dez anos à pretensão indenizatória nascida do inadimplemento contratual. Ou seja, pelo entendimento jurisprudencial do Superior Tribunal de Justiça se a vítima teve seu direito violado a partir da infração de norma legal, deverá exercer sua pretensão em até três anos, sob pena de vê-la prescrita; por outro se a vítima teve seu direito violado a partir da infração de norma contratual, poderá exercer sua pretensão em até dez anos.

NOTA: *A relação de consumo atrai a incidência da regra do artigo 27 do Código de Defesa do Consumidor que determina a prescrição em cinco anos da pretensão à reparação pelos danos causados por fato do produto ou do serviço, iniciando-se a contagem do prazo a partir do conhecimento do dano e de sua autoria.

***Rene Toedter é advogado, Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Paraná e Mestre em Direito do Estado também pela UFPR. Professor universitário da UniBrasil, é também autor do livro “Globalização Econômica e Neoliberalismo – Reflexos Sociojurídicos no Mundo do Trabalho”. Rene é integrante da equipe do Departamento Contencioso do escritório Andersen Ballão Advocacia desde 2007.

Artigos Relacionados

É possível alterar o índice de correção monetária…

O índice mais comum para reajuste de preços de contratos de locação, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), teve alta expressiva no ano…

Leia mais

Entenda o que mudou na Recuperação Judicial e…

A Lei 14.118, de 24 de dezembro de 2020, que entrou em vigor em 23.01.2021, alterou alguns pontos relevantes da Lei de Recuperação Judicial e…

Leia mais

Notas sobre Quotas Preferenciais sem Direito a Voto…

Em 10 de junho desse ano, o Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) emitiu a Instrução Normativa nº 81/2020 consolidando diversos pontos muito discutidos…

Leia mais