Artigos e Publicações

Rescisão contratual por comum acordo entre as partes: a legalização de uma prática à margem da lei

Publicado em 28 de março de 2018

Até a entrada em vigor da Lei 13.467/2017, também denominada de “Reforma Trabalhista”, alegislação trabalhista brasileira permitia apenas duas possibilidades de extinção voluntária do contrato de trabalho: pedido de demissão e dispensa por iniciativa do empregador (com ou sem justa causa).

No primeiro caso, o empregado não tem direito ao aviso prévio indenizado, saque do FGTS e recebimento de multa de 40% sobre o valor depositado na conta vinculada, tampouco direito ao seguro-desemprego. Já no segundo caso, se a demissão for imotivada, o empregador deve indenizar o aviso prévio (nos casos de dispensa de cumprimento), quitar a multa de 40% sobre o saldo do FGTS, entregar as guias para viabilizar o saque do valor do FGTS junto à conta vinculada e entregar as guias para percebimento do seguro-desemprego.

Contudo, tornou-se muito comum a prática da denominada “rescisão por acordo”, através da qual o empregador dispensava o empregado sem justo motivo e quitava todas as verbas rescisórias devidas, inclusive a multa de 40% do FGTS, sendo que após o pagamento e saque pelo ex-empregado, este devolvia o montante correspondente à multa de 40% ao empregador.

Importante ressaltar que esta prática, apesar de bastante comum, é ilegal e caracteriza fraude aos cofres públicos, eis que os valores depositados na conta vinculada do FGTS são utilizados pelo Poder Público para diversos fins e a movimentação destes valores somente é autorizada nos estritos termos da lei.

Com a reforma trabalhista, contudo, houve a regulamentação de uma nova forma de rescisão contratual através da inclusão do art. 484-A da CLT, que trata da rescisão contratual por acordo entre as partes. Trata-se, portanto, de “nova” modalidade de rescisão contratual que visa eliminar a prática ilegal da “rescisão por acordo” e regulamentar o término do contrato de trabalho quando empregador e empregado desejam este mesmo objetivo.

De acordo com o disposto do art. 484-A da CLT, a rescisão contratual por mútuo consentimento acarreta os seguintes pagamentos:

– metade do valor do aviso prévio indenizado;
– metade da multa do FGTS, totalizando um gasto de 20% sobre os depósitos realizados;
– integralidade das demais verbas devidas, como saldo de salário, férias (vencidas ou proporcionais), 13º salário proporcional etc.

Ainda, esta forma de rescisão contratual não demanda o pagamento da multa de 10% calculada sobre os depósitos de FGTS que é paga pelo empregador e é destinada ao Governo Federal nos casos de rescisão sem justa causa.

Importante destacar, por outro lado, que ao empregado somente é permitido o saque de 80% do valor depositado em sua conta vinculada de FGTS. Ainda, esta modalidade de rescisão contratual não permite ao empregado o ingresso no programa de seguro desemprego.

Percebe-se, assim, que esta nova modalidade de rescisão contratual pode ser bastante interessante para empregadores e empregados que desejam, de comum acordo, extinguir o contrato de trabalho existente, sendo que o custo da rescisão é reduzido significativamente em relação ao término por iniciativa do empregador sem justa causa.

Viviane Teixeira é advogada, bacharel em Direito e pós-graduada pela Faculdade de Direito de Curitiba. Integra o Departamento Trabalhista da Andersen Ballão Advocacia desde 2017.

Artigos Relacionados

É possível alterar o índice de correção monetária…

O índice mais comum para reajuste de preços de contratos de locação, o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), teve alta expressiva no ano…

Leia mais

Entenda o que mudou na Recuperação Judicial e…

A Lei 14.118, de 24 de dezembro de 2020, que entrou em vigor em 23.01.2021, alterou alguns pontos relevantes da Lei de Recuperação Judicial e…

Leia mais

Notas sobre Quotas Preferenciais sem Direito a Voto…

Em 10 de junho desse ano, o Departamento de Registro Empresarial e Integração (DREI) emitiu a Instrução Normativa nº 81/2020 consolidando diversos pontos muito discutidos…

Leia mais