Artigos e Publicações

Advogados da ABA levam conhecimento técnico a evento  realizado pelo OGMO/Paranaguá

Advogados da ABA levam conhecimento técnico a evento realizado pelo OGMO/Paranaguá

Publicado em 29/11/2021

Enrico Nichetti e Silvana Alves participaram de painéis sobre as relações laborais no porto

 

O Órgão de Gestão de Mão de Obra do Trabalhador Portuário e Avulso do Porto Organizado de Paranaguá – OGMO/Paranaguá promoveu no dia 22 de novembro, no Auditório Emir Roth – Palácio Taguaré, na sede da Portos do Paraná, o “II Seminário sobre Trabalho Portuário”, com palestras, painéis e interações sobre dois temas de extrema relevância para o setor portuário.

O evento contou com palestra especial do Ministro Guilherme Augusto Caputo Bastos, do Tribunal Superior do Trabalho – TST, e painéis contando com a presença do Desembargador Celso Ricardo Peel Furtado de Oliveira – Tribunal Regional do Trabalho / SP e Dra. Flávia Bauler – Coordenadora da CONATPA – Ministério Público do Trabalho – MPT, entre outros profissionais ligados ao setor, inclusive operadores portuários atuantes em Paranaguá (PR).

Participaram ainda do evento o sócio coordenador do Departamento Trabalhista da ABA, Enrico Nichetti, no painel “Contratação com vínculo de emprego para trabalho portuário” e a advogada Silvana Alves, no painel “Competência do OGMO no fornecimento de mão de obra”. Os dois são especialistas em Direito do Trabalho Portuário e atuam na sede da ABA em Paranaguá/PR.

O seminário foi fundamental para estimular diálogos a respeito dos temas, mostrando os reflexos das decisões judiciais e sua aplicabilidade no âmbito da gestão e competitividade empresarial das operações portuárias.

Na sua apresentação, o advogado Enrico Nichetti destacou a valorização da negociação coletiva como forma de resolução de conflitos no mundo portuário, citando exemplos de Acordos Coletivos e Convenções Coletivas de Trabalho. “São acordos que preveem a contratação com vínculo empregatício respeitando-se o critério da prioridade, conforme previsto na Convenção 137 da OIT, no lugar do critério da exclusividade, recentemente reconhecido como o aplicável pelo TST”, explica o advogado.

Em sua fala, Silvana Alves ressaltou que a Constituição Federal, ao assegurar o status jurídico dos Sindicatos, o fez levando em conta o seu papel primordial, enquanto entidade voltada na sua essência à defesa de interesses individuais, plúrimos e coletivos de seus representados, nos termos do Art. 8º, III e VI, e nesse sentido as recentes decisões judiciais pacificaram que o OGMO detém atribuição exclusiva para gerir e intermediar o fornecimento de mão de obra de trabalhador portuário avulso, confirmando as disposições contidas nas Leis 12.815/2013, 9.719/1998 e no Decreto 3048/1999, entre outras normas infraconstitucionais.

Para a advogada, “a atuação do Sindicato como gestor de mão de obra dentro do porto organizado, além de descaracterizar a essência de seu papel, desestabiliza o sistema como um todo”, opina.

A respeito dos dois assuntos, os debates foram amplos e aprofundados.

Comunicação ANDERSEN BALLÃO ADVOCACIA

Matérias Relacionadas

Andersen Ballão Advocacia apoia retorno do maestro alemão Stefan Geiger para reger concertos presenciais de final de ano

Andersen Ballão Advocacia apoia retorno do maestro alemão Stefan Geiger…

Após mais de um ano e meio longe do Brasil, músico volta a Curitiba como maestro convidado da Orquestra Sinfônica do Paraná por meio do…

Leia mais
Entenda como funciona a proposição de um projeto na Lei Rouanet

Entenda como funciona a proposição de um projeto na Lei…

Mecanismo de fomento cultural do governo brasileiro foi reformulado em busca de maior transparência A Lei Rouanet foi repaginada pelo governo federal para, de acordo…

Leia mais
IAOSP debate limites entre música universal e regional

IAOSP debate limites entre música universal e regional

Série de gravações de concertos e entrevistas com pensadores culturais repensa a hierarquização cultural presente nas artes O que é melhor, o universal ou o…

Leia mais