Artigos e Publicações

Atenção ao direito de imagem do empregado

Atenção ao direito de imagem do empregado

Publicado em 7 de janeiro de 2020

Os litígios que versam sobre o uso de imagem vêm se tornando cada vez mais recorrentes, o que exige zelo redobrado por parte do empregador

A difusão dos meios de comunicação, a popularização das mídias digitais e a ampliação das possibilidades de divulgação empresarial. Fatores como esses têm tornado as pessoas mais vulneráveis à exposição nos últimos anos – o que tem feito com que a questão do direito de imagem se problematize. Um exemplo deste contexto se encontra dentro das empresas. O uso não autorizado de fotos de trabalhadores em divulgações publicitárias ou mesmo em materiais e veículos de circulação interna da organização tem rendido algumas indenizações trabalhistas. Saiba mais sobre o assunto com a advogada do Departamento Trabalhista da Andersen Ballão Advocacia, Daniele Duarte.

O direito de imagem se relaciona com a autonomia que o indivíduo tem sobre a sua projeção no mundo exterior. Ele está incluído entre os direitos e garantias fundamentais previstos na Constituição Brasileira, em seu artigo 5º, V e X, além de estar regulado pelos artigos 11 e 20 do Código Civil. “É importante observar que a imagem pode ser violada de duas formas: por meio de agressão ao patrimônio moral do indivíduo, como nas hipóteses em que o empregador divulga a terceiros conduta que desabone o empregado, ou por meio de divulgação não autorizada da imagem”, explica a advogada do Departamento Trabalhista.

De acordo com Daniele, o uso de imagens de empregados em materiais comerciais, publicações ou mesmo em veículos de comunicação da empresa – mesmo que não viole a integridade moral do indivíduo em questão – deve, obrigatoriamente, ser autorizado pelo trabalhador. “As pessoas confundem indenização pelo uso de imagem com indenização por dano moral. Trata-se, contudo, de institutos distintos, de forma que ainda que a imagem veiculada pelo empregador não venha a denegrir ou ofender o profissional, este pode requerer uma indenização pela simples utilização de sua imagem”, explica a advogada da ABA.

Daniele orienta as empresas a redigirem termos de autorização para assinatura do empregado antes da utilização de uma imagem onde ele apareça. “Por ser um direito disponível, o empregado poder ceder sua imagem, de forma gratuita ou onerosa”, ressalta a advogada, que ainda acrescenta: “embora a jurisprudência reconheça a autorização tácita, a forma mais segura e eficiente de prevenir litígios envolvendo o direito de imagem consiste na prévia, expressa e escrita autorização do uso da imagem, pelo que recomendamos a elaboração de Termo de Cessão de Uso de Imagem”.

Matérias Relacionadas

Setor florestal move economia da Região Sul com foco na sustentabilidade

Setor florestal move economia da Região Sul com foco na…

ABA traz segurança jurídica a decisões de empresas e entidades que atuam no setor florestal   Com grande dinamismo no Sul do Brasil, o setor…

Leia mais
Relações portuárias ganham eficiência e agilidade com atuação conjunta entre ABA, OGMO e operadores portuários

Relações portuárias ganham eficiência e agilidade com atuação conjunta entre…

Mais de 300 acordos foram realizados em 2020, com a redução do passivo em valor superior a R$ 6 milhões de reais   A atuação…

Leia mais
Imposto de Renda Pessoa Física 2021: saiba como doar aos Fundos da Infância e Adolescência e do Idoso  diretamente na declaração

Imposto de Renda Pessoa Física 2021: saiba como doar aos…

Apesar de simples, poucas pessoas conhecem esse mecanismo que facilita a destinação de recursos a quem mais precisa   Neste momento mais desafiador da pandemia,…

Leia mais