Artigos e Publicações

Atraso na Reforma do IR traz insegurança jurídica aos contribuintes

Atraso na Reforma do IR traz insegurança jurídica aos contribuintes

Publicado em 29/11/2021

Planejamento tributário de 2022 pode ser baseado na situação atual, porém com atenção às possibilidades de mudança

 

A demora na tramitação da reforma do Imposto de Renda (IR) traz insegurança jurídica aos contribuintes, e ainda prejudica os investimentos internacionais no Brasil. A avaliação é de juristas de todo o país, que acompanham a matéria com atenção há vários meses.

“Além de impedir a organização e o planejamento tributário de pessoas físicas e jurídicas, a lentidão traz impacto até mesmo na esfera internacional – enquanto não há previsões sólidas sobre o caminho do projeto, há uma tendência de que grupos sustem investimentos no Brasil”, explica o advogado do Departamento Tributário da Andersen Ballão Advocacia (ABA) Ariel Palmeira.

Entretanto, existe um lado positivo na não aprovação: a possibilidade de ajustes para que o projeto fique mais adequado. “O projeto inicial de reforma certamente não atingia seu objetivo – a equalização da tributação entre ricos e pobres – e provavelmente resultaria em aumento disfarçado de tributos”, opina o advogado.

“Além disso, a reforma do IR é um tema de grande complexidade, que deve ser analisado em seu devido tempo. Este é, inclusive, um dos motivos para a desaceleração do projeto no Senado.”

Como as empresas podem se planejar para 2022?

Apesar de cada contexto empresarial conter suas particularidades, existem algumas diretrizes geralmente aceitas para lidar com a situação. Como existe uma chance relevante de que o projeto de reforma sequer seja aprovado, a primeira é tomar o panorama atual como base, considerando as possibilidades de alteração apenas como hipóteses. “A principal medida a ser tomada, contudo, é acompanhar a tramitação do projeto com atenção – assim, os ajustes que sejam eventualmente necessários em caso de aprovação poderão ser feitos em tempo”, sugere Palmeira.

De maneira mais urgente, o que se espera do projeto é a atualização da tabela progressiva do IR das pessoas físicas, que data de 2015 e encontra-se extremamente defasada, considerando a inflação do período.

“Devido à lentidão na tramitação da reforma, e à inadequação da proposta inicial (que previa um reajuste muito abaixo do esperado), já há movimentações no Congresso para a propositura de novos projetos de lei que visam a atualização da tabela.”

Matérias Relacionadas

Empresas devem atentar às mudanças de alíquota do IPI

Empresas devem atentar às mudanças de alíquota do IPI

Atualização dos softwares tributários precisou ser feita de forma emergencial   Com a publicação em fevereiro, pelo governo federal, do Decreto nº 10.979/2022, foram reduzidas…

Leia mais
Lei Complementar sobre diferencial de alíquotas do ICMS traz insegurança jurídica a contribuintes

Lei Complementar sobre diferencial de alíquotas do ICMS traz insegurança…

Planejamento tributário do ano deve levar em consideração mudanças na lei, apesar da discussão ainda em andamento Não é de hoje que a cobrança do…

Leia mais
Desoneração da folha de pagamento é prorrogada para 17 setores até 2023

Desoneração da folha de pagamento é prorrogada para 17 setores…

Continuidade do benefício, que venceria agora em dezembro, deve receber a sanção presidencial   O fim de ano trouxe um alívio para empresários de 17…

Leia mais