Artigos e Publicações

Filantropia empresarial anda na contramão da riqueza no Brasil

Publicado em 06/07/2023

País ocupa a 122ª posição no índice de doação da iniciativa privada mundial, contradizendo a realidade dos EUA e Europa

O Brasil se encontra entre os 10 países com o maior número de bilionários no mundo. Segundo a revista Forbes, temos, hoje, 51 bilionários, porém, ao contrário de outros países da lista, as doações – a chamada filantropia empresarial – podem ser consideradas relativamente baixos, com um total estimado de US$ 4 bilhões em repasses anuais. Esse dado faz parte do estudo “O Futuro da Filantropia no Brasil: Contribuir para a Justiça Social e Ambiental”, lançado em abril desse ano pelo Instituto Beja.

Os dados brasileiros contradizem a realidade dos Estados Unidos e países europeus: nos últimos anos, algumas das pessoas mais ricas do mundo aumentaram suas doações e a criação de suas próprias fundações. Hoje, o estoque de filantropia equivale a pouco menos de 3% do PIB global. No entanto, como demonstrado no relatório, em algumas economias avançadas o valor totalmente ajustado é de 10% ou até mais.

Segundo o CAF World Giving Index 2018, o índice de doação da iniciativa privada no Brasil é baixíssimo, com o país na 122ª posição. Ainda, segundo o Instituto Beja, a classe média é vista como a mais empática, por conviver diretamente com os problemas sociais. Entre os mais ricos, no entanto, essa prática não equivale à sua capacidade financeira.

A palavra filantropia deriva do grego antigo e significa “amor pela humanidade” e há muitos indivíduos que pensam que a prática é papel exclusivo do Estado. No entanto, a prática da filantropia empresarial é fundamental em um país que ainda sofre com a desigualdade social. É consenso que muitos dos maiores desafios do mundo podem ser melhor superados por uma parceria mais ampla entre os setores público, privado e organizações sem fins lucrativos.

Segundo o IBGE, mesmo longe do ideal, a filantropia no Brasil apresentou um crescimento significativo, chegando quase a dobrar na última década.  O Censo GIFE (principal pesquisa sobre investimento social privado e filantropia no Brasil) em 2020 mostrou um investimento de R$ 5,3 bilhões (cerca de US$ 1 bilhão), tendo como causa provável, a pandemia de Covid-19.

Ainda sobre o estudo do Instituo Beja, os maiores motivadores identificados para a filantropia no Brasil são os valores familiares, o senso de responsabilidade, a percepção da injustiça e da desigualdade na sociedade brasileira, bem como as experiências pessoais.

De acordo com o IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, no estudo a respeito das perspectivas para a filantropia no Brasil em 2023, recebem apoio no país, em primeiro lugar, projetos voltados à educação e em último, projetos ligados à saúde. Começam a receber atenção no país projetos relacionados às questões de mudança climática e do meio ambiente, bem como as causas de justiça social e direitos humanos.

 

Vantagens também para as empresas

Para Marcella Souza, coordenadora Departamento de Assuntos Culturais e Terceiro Setor da Andersen Ballão Advocacia, existem vantagens na prática da filantropia corporativa não apenas para a sociedade, mas também para as empresas. “Quando bem planejada, com acompanhamento da utilização dos recursos e dos resultados alcançados, a filantropia pode ser muito benéfica ao proporcionar ganhos de imagem e reputação, cultura e ambiente organizacional e, em alguns casos, benefícios fiscais para as empresas”

Assim como as demais atividades e processos que fazem parte de uma organização, o desenvolvimento de um trabalho filantrópico também necessita de uma governança jurídica que alinhe o desejo de fazer a diferença para a sociedade com o cumprimento dos requisitos legais para isso.

“A exemplo das áreas comercial, de produção e de pessoas, o investimento social privado também precisa de uma estratégia e de mensuração constante para verificar se os resultados estão sendo aqueles desejados, principalmente para quem for favorecido”, comenta Marcella.

Quanto às questões jurídicas, a advogada esclarece que a legislação não tem regramento específico, por isso devem ser analisados caso a caso e utilizadas as regras do direito societário, tributário e contratuais de caráter geral e específico.

Como começar? 

De acordo com o IDIS, existe uma diferença entre filantropia empresarial e responsabilidade social. A filantropia é uma maneira de doar dinheiro, tempo ou recursos a causas importantes para o desenvolvimento humano, social e político da sociedade. Já a responsabilidade social pode ser entendida como o conjunto de práticas e ações adotadas por empresas para promover o bem-estar social, reduzir impactos negativos na sociedade e contribuir para o desenvolvimento sustentável. “Cada uma em seu escopo, ambas são formas de as empresas contribuírem efetivamente para a construção de uma sociedade mais igualitária e com oportunidades para todos”, comenta Marcella.

Os empresários que quiserem dar os primeiros passos na filantropia, podem seguir algumas dicas propostas por Priscilla Pasqualin e Marcia Setti no livro “O Legal da Filantropia” e pelo IDIS, em seu estudo “Filantropia: Perspectivas para 2023:

  • Inicie pela busca do foco ou propósito: o que motiva a atividade filantrópica;
  • Procure uma causa com a qual a empresa se identifica: educação, saúde, meio ambiente, etc;
  • Verifique qual o nível de comprometimento de recursos financeiros, humanos e tempo que a empresa terá disponíveis;
  • Verifique qual a necessidade de conhecimento para a ação filantrópica;
  • Busque parcerias que possam ajudar a viabilizar a ação filantrópica, como ongs, associações, fundações, etc;
  • Dedique-se ao planejamento e governança: definir o cronograma, recursos humanos e financeiros e as formas de acompanhamento farão a diferença no resultado esperado.

Vale lembrar que ABA possui um departamento especializado em Terceiro Setor e pode oferecer aos seus clientes assessoria e consultoria especializada, apoiando as empresas no esclarecimento de dúvidas sobre o tema.

Leia mais novidades jurídicas aqui

https://www.andersenballao.com.br/pt/materias/

Matérias Relacionadas

Cultura vive retomada e busca diálogo com a sociedade civil

Ações governamentais impulsionam o importante momento que o país vem vivenciando e abre espaço para apoio das empresas ao terceiro setor As boas previsões para…

Leia mais

Mesmo sem fins lucrativos, OSCs podem ter atividade econômica

Trabalhar em benefício de um grupo ou causa não precisa excluir a geração de receita para entidades do terceiro setor  Assim como qualquer empresa ou…

Leia mais

Terceiro Setor representa 4,27% do PIB brasileiro

Organizações também empregam mais de 6 milhões de pessoas no país Quando pensamos em Terceiro Setor no Brasil, estamos falando de mais de 815 mil…

Leia mais